Elon Musk já deixou bem claro que quem colonizar Marte precisa concordar em entrar em uma missão suicida pela SpaceX. OK, ninguém disse que viagens espaciais precisam ser seguras. Mas os sobreviventes da jornada vão enfrentar outro perigo: danos cerebrais causados por raios cósmicos.

Barack Obama está bastante empolgado com a ideia de levar o homem a Marte
Como a SpaceX planeja ir até Marte

Em um estudo publicado na Scientific Reports, cientistas da Universidade da Califórnia em Irvine bombardearam ratos e camundongos com oxigênio ionizado e titânio, os tipos de partículas carregadas encontradas nos raios cósmicos galácticos que são mais propensos a atravessar a blindagem das naves espaciais. Astronautas em missões longas devem passar por essas condições, e os resultados não foram nem um pouco animadores.

Os raios cósmicos simulados causaram danos aos neurônios e inflamação cerebral que ainda estavam presentes seis meses após o experimento. Nesse estado, os astronautas podem ter dificuldades para tomar decisões ou realizar tarefas, além de sofrerem variações de humor.

Há também um efeito prejudicial da radiação sobre um processo cerebral chamado “extinção do medo” – isto é, nossa habilidade de esquecer estresses anteriores para que não vivamos em um estado constante de ansiedade.

Estudos como esse já foram feitos antes, com resultados quase tão alarmantes quanto. Algumas pesquisas financiadas pela NASA demonstraram danos neurológicos parecidos em roedores, mas esse é o primeiro que mostra como o dano é prolongado.

Apesar de serem bons objetos de estudo, astronautas da Estação Espacial Internacional não sofrem com raios cósmicos galácticos porque a estação ainda está dentro da magnetosfera protetora da Terra.

Todo mundo sabe que enviar uma missão tripulada para Marte vai ser perigoso. A nova preocupação agora é qual será o estado dos futuros colonizadores quando eles pousarem no planeta vermelho.

[Phys.org]

Imagem de topo: conceito artístico de um assentamento marciano (NASA)