Os cientistas identificaram quase 100 vulcões previamente desconhecidos na Antártica Ocidental, que, além dos 47 já conhecidos que existem na região, fazem da região uma das maiores concentrações de vulcões do mundo.

Uma nova pesquisa lançada em uma série especial da Geological Society identifica 91 novos vulcões em uma região conhecida como Sistema de Fendas Antártico Oeste, uma área de 3.500 km de extensão que se estende desde a plataforma de gelo de Ross até a Península Antártica. Todos esses vulcões estão enterrados sob a camada de gelo da Antártica, alguns enterrados a até três quilômetros de profundidade. Eles variam em tamanho de 100 a 3.850 metros, sendo o maior tão alto quanto a montanha Eiger na Suíça.

Os cientistas que conduziram o estudo, Max Van Wyk de Vries e Robert Bingham, da Escola de Geociências da Universidade de Edimburgo, dizem que essa concentração é maior do que o Rifte Africano Oriental, o que a tornaria a mais densa concentração de vulcões no mundo – Embora alguns geólogos digam que esta afirmação é excessivamente exagerada (mais sobre isso em breve). Não se sabe quantos, se algum for, dos vulcões recém-descobertos são ativos, mas os cientistas expressam a preocupação de que uma erupção possa aumentar os efeitos das mudanças climáticas no continente congelado.

Mapa de localização de estruturas de cone escondidas ao longo do Sistema de Rifte Antártico Oeste. A cor do círculo representa o fator de confiança, o tamanho do círculo representa o diâmetro e os círculos com bordas pretas representam descobertas anteriores. (Imagem: M. V. W. de Vries et al., 2017)

Max Van Wyk de Vries, um estudante do terceiro ano, conseguiu dar o ponta-pé inicial nesta descoberta depois de perceber possíveis traços de vulcanismo em mapas de radar publicamente disponíveis da Antártica. Ele sugeriu aos geólogos da escola que uma pesquisa mais rigorosa fosse realizada para confirmar suas descobertas iniciais, e eles concordaram. Com a ajuda de Bingham, de Vries examinou remotamente a parte inferior da camada de gelo para picos ocultos de pedra basáltica, semelhantes aos encontrados no topo de outros vulcões, e onde os picos se pronunciam um pouco acima do gelo. A forma da terra embaixo das camadas espessas de gelo foi analisada usando medições de radar que penetraram o gelo; Os pesquisadores estavam à procura de estruturas semelhantes a um cone que se estendiam para a camada de gelo. Esses achados foram comparados com os registros de satélites e banco de dados, juntamente com informações geológicas de levantamentos aéreos.

“A Antártica permanece entre as áreas menos estudadas do mundo e, como jovem cientista, fiquei animado em aprender sobre algo novo e não bem compreendido”, afirmou de Vries em um comunicado. “Depois de examinar os dados existentes na Antártica Ocidental, comecei a descobrir traços de vulcanismo. Naturalmente, olhei para isso mais atentamente, o que levou a essa descoberta de quase 100 vulcões debaixo da camada de gelo “.

Na verdade, a descoberta de tantos vulcões previamente desconhecidos altera nossa concepção da Antártica como uma região vulcânica, tanto no passado, presente e futuro. Pesquisas adicionais ajudarão os geólogos a entender melhor como os vulcões podem influenciar as mudanças nos lençóis de gelo em longos espaços de tempo, além de melhorar a nossa compreensão do passado climático do continente.

Infelizmente, os novos resultados não indicam quais desses vulcões podem ser ativos ou ter o potencial de entrar em erupção, mas este novo estudo deve inspirar mais pesquisas e monitoramento sísmico na área. Os pesquisadores dizem que é muito importante descobrir isso o mais rápido possível. Se um ou mais desses vulcões entrarem em erupção, poderia desestabilizar ainda mais os lençóis de gelo da Antártica Ocidental (que já estão sendo afetados pelo aquecimento global provocado pelo homem) e acelerar o fluxo de água de derretimento que vai para o oceano. Em 2013, pesquisadores da Universidade de Washington detectaram pelo menos um vulcão ativo e coberto de gelo na Antártica (também na camada de gelo da Antártica Oeste), por isso é razoável assumir que outros também possam estar ativos.

Os cientistas não estão inteiramente certos do que acontece quando os vulcões submersos em gelo entraram em erupção, mas esses eventos poderiam fazer com que o magma e os fluídos subterrâneos forçassem novos caminhos e fraturas, de acordo com pesquisadores da Universidade de Washington. Uma erupção séria poderia derreter o fundo da camada de gelo imediatamente acima do respiradouro do vulcão, mas nós realmente não temos ideia do que aconteceria depois disso.

“Este é um grande passo na compreensão dos processos sólidos da Terra sob a camada de gelo da Antártica”, disse Mike Coffin, pesquisador do Instituto de Estudos Marinhos e Antárticos da Universidade da Tasmânia (IMAS), em entrevista ao Gizmodo. “A combinação de diferentes tipos de dados – imagens magnéticas, de gravidade e de satélite – com um modelo de elevação digital e bases de dados vulcânicos existentes provou ser extremamente frutífero, e o trabalho ira semear muitas pesquisas futuras na Antártica”.

Coffin, que não estava envolvido com o novo estudo, diz que a abordagem dos pesquisadores é admirável, e os resultados são fascinantes – mas ele tem problemas com uma constatação central feita pelos autores.

“Eu não sou particularmente apaixonado pela hipérbole – ‘uma das maiores províncias vulcânicas do mundo’ “, disse ele. “Claramente, a dorsal atlântica (e os ~50% resultantes da superfície da Terra que são uma “crosta oceânica” pura) é a maior província vulcânica do mundo e até segmentos do sistema de cumes do meio do oceano (por exemplo, a cordilheira no meio do Atlântico) são muito maiores do que esta província vulcânica da Antártica Ocidental. No entanto, não devemos inibir a exuberância juvenil!”

Coffin diz que não ficaria surpreso se alguns desses vulcões recém-descobertos estiverem ativos e gostaria de ver um estudo semelhante feito em todo o continente antártico. O Monte Gaussberg, por exemplo, é um jovem vulcão que se projeta acima do gelo na Antártica Oriental, e Coffin diz que pode haver muito mais sob o gelo do Antártico Oriental.

O magma vermelho quente atravessando a camada de gelo da Antártica evoca uma imagem mental particularmente poderosa. Talvez um desses vulcões recém-descobertos entre em atividade enquanto estivermos vivos, e realmente teremos a chance de vê-lo. Seria uma canção de gelo e fogo, de fato.

[The Geological Society]

Imagem de topo: NASA/Jim Yungel