Enquanto o mundo migra sua forma de assistir filmes dos discos ópticos para discos rígidos, uma equipe de químicos da Espanha encontrou uma nova utilidade para um tocador regular de Blu-Ray. Eles transformaram o aparelho em um dispositivo médico barato, mas funcional, que pode ser usado em países em desenvolvimento.

O hack em si é até meio simples. Os cientistas simplesmente substituíram a placa de dados do tocador com uma customizada feita para ler a refletividade no disco em vez dos pontos microscópicos que guardam os dados do filme. Depois eles  prepararam discos comuns de Blu-Ray com pedaços de proteína chamados de sondas e, em seguida, cobriram o disco com uma solução contendo patógenos (salmonella e um parasita encontrado na água foram usados nos testes até agora). Quando eles retiraram a solução, os agentes patogênicos permaneceram presos às sondas, e o laser do player conseguiu detectá-los.



pkufrg9zpgqiyihfaupf

Este método de teste não é tão preciso como aquele que usa um equipamento médico completo, mas ele funciona. Isso significa que inúmeras comunidades que não podem comprar dispositivos médicos caríssimos podem usar tocadores de Blu-Ray, que são bem mais baratos, para realizar os testes. Isso pode salvar muitas vidas!

Você provavelmente deve estar se perguntando por que Blu-Ray? Pesquisadores já usaram tocadores de CD para métodos semelhantes antes, mas o Blu-Ray é especial. Como Matt Zastrow, da PBS, destaca, os discos Blu-Ray podem segurar mais amostras pois são extremamente hidrofóbicos, o que significa que as amostras de água ficarão agrupadas em diferentes pontos da superfície. Lasers de Blu-Ray também são capazes de focar em uma área muito menor do que lasers de CD. [OpticsNOVA]

Imagens via Flickr / UPV, Valencia