ATUALIZAÇÃO: Em 10 de março, a equipe de pesquisadores responsável pelo estudo descrito abaixo, publicado na respeitada revista Nature, pediu que seu trabalho seja desconsiderado. Muitos laboratórios não conseguiram recriar o método descrito no estudo.

O professor Teruhiko Wakayama, que fez parte da equipe, disse à NHK:

Ao realizar o experimento, eu acreditei que tudo estava absolutamente certo. Mas agora que surgiram muitos erros, acho que o melhor é retirar o trabalho de pesquisa e, usando dados e imagens corretas, provar mais uma vez que o estudo está certo. Se ele estiver errado, seria preciso deixar claro por que uma coisa dessas aconteceu.

Um porta-voz da Nature diz à Reuters que a revista está conduzindo uma investigação interna para apurar o ocorrido.

O texto original segue abaixo:


Isso é espetacular. Enquanto a extração de células-tronco tem sido um dilema ético ou um caso com meses de duração, cientistas conseguem agora transformar qualquer célula sanguínea antiga em uma célula-tronco em apenas 30 segundos – precisando, para isso, mergulhá-las em ácido.

É isso mesmo. Pegue células sanguíneas, adicione ácido, consiga células-tronco. Só isso.

Uma equipe de cientitas japoneses chegaram ao método após observarem um fenômeno semelhante em plantas, onde o stress ambiental pode morfar uma célula ordinária em uma imatura. Novas plantas podem então crescer a partir dessas células imaturas. Isso também ocorre com pássaros e répteis, então a equipe do Centro de Desenvolvimento de Biologia de Riken passou a estudar se isso também poderia ocorrer em mamíferos.

Eles começaram com camundongos, obviamente. Quando expuseram as células sanguíneas deles em ácido, a transformação começou. Enquanto algumas das células morreram, muitas outras se tornaram células-tronco após alguns dias.

“Parece bom demais para ser verdade, mas o número de especialistas que verificaram e confirmaram isso, eu tenho certeza que está certo”, explicou o professor de medicina regenerativa da Universidade de Londres, Chris Mason, à BBC. “Se isso funciona em pessoas da mesma forma que funciona em camundongos, parece uma forma rápida, barata e possivelmente segura  em relação às outras tecnologias de reprogramação de células – terapia de reprogramação de células personalizada agora pode ser viável.”

A descoberta foi definida por outros cientistas como “marcante”, “revolucionária” e “divisora de águas”. Por que? Bem, se você acompanha as promessas e riscos das pesquisas com células-tronco, então você sabe que é uma questão tão complicada quanto controversa.

Inicialmente, elas eram extraídas diretamente de embriões, mas isso envolvia a destruição dos embriões. Em 2006, cientistas do Japão e do Reino Unido desenvolveram um novo método, no qual introduziam certos genes que faziam as células se reprogramarem sozinhas, tornando-se células-tronco. Essa descoberta deu a eles o Prêmio Nobel em 2012, mas também é algo caro e que consome muito tempo. Outros métodos experimentais estão sendo estudados.

Esta nova descoberta não apena significa que podemos produzir células-tronco de maneira mais rápida e barata, mas também possivelmente elimina o debate ético, já que nenhum embrião é usado no processo. Se funcionar em humanos, é claro. Claro, muitas outras pesquisas precisam ser feitas até que os cientistas entendam todo o processo e desenvolvam métodos para pesquisa de células-tronco. Mas, definitivamente, essa é uma excelente notícia. [New ScientistBBC]

Imagem via Wikipedia