Atualizado ás 9h50 com comunicado do Bill Gates

O cofundador da Microsoft Paul Allen faleceu nesta segunda-feira, aos 65 anos, por conta de complicações de um linfoma não-Hodgkin. Allen havia descoberto a doença em 2009; no início deste mês de outubro, comunicou que ela havia voltado.

Allen fundou a Microsoft com seu amigo de colégio Bill Gates em 1975. Foi ele o responsável por convencer Gates a deixar Harvard e buscar uma carreira no mercado de tecnologia. Ele deixou a empresa em 1982 e saiu do conselho de diretores em 2000.

Paul Allen e Bill Gates recriaram, em 2013, a famosa foto da Microsoft de 1981.

Paul Allen ocupava o 44º lugar na lista de bilionários da Forbes, com uma fortuna estimada em cerca de 20 bilhões de dólares. Allen tinha atuação destacada na filantropia, com doações que atingiram 2,6 bilhões de dólares, grande parte delas para projetos científicos, e também era proprietário do time de futebol americano Seattle Seahawks e do time de basquete Portland Trail Blazers.

Sua irmã Jody Allen publicou um comunicado à imprensa.

“Meu irmão era um indivíduo marcante em todos os níveis. A maioria das pessoas conhecia Paul Allen como um filantropo tecnológico, mas para nós ele era um irmão e tio querido, e um amigo excepcional. Seus amigos e familiares foram abençoados de conhecer sua inteligência, seu entusiasmo, sua generosidade e sua preocupação. Mesmo com todas as demandas de sua agenda, sempre havia tempo para a família e para os amigos. Neste momento de perda e luto para nós — e para muitos outros — estamos profundamente gratos pelo carinho e preocupação que ele demonstrava todos os dias.”

Bill Gates, com quem ajudou a fundar a Microsoft, emitiu o seguinte comunicado para a ABC News:

Dos nossos primeiros dias juntos na escola Lakeside até nossa parceria na criação da Microsoft, passando por alguns projetos filantrópicos através dos anos, Paul foi um verdadeiro parceiro e um querido amigo. A computação pessoal não existiria se não fosse por ele.

No entanto, Paul não estava contente em começar apenas uma companhia. Ele direcionou seu intelecto e compaixão em um segundo ato concentrado em melhorar a vida das pessoas e fortalecer comunidades em Seattle e em outras partes do mundo. Ele gostava de dizer que “se tem potencial para ser bom, então nós devemos fazê-lo”. Isso mostra a nobreza dele.

Paul amava a vida e todos que o rodeavam, e nós todos o amávamos. Ele merecia muito mais tempo, mas as contribuições dele para o mundo da tecnologia e da filantropia continuarão a existir por muitas gerações. Vou sentir muito sua falta.

CEO da Microsoft, Satya Nadella também louvou as contribuições de Allen em um comunicado.

“As contribuições de Paul Allen para nossa empresa, para a indústria e para nossa comunidade são indispensáveis. Como cofundador da Microsoft, de seu modo quieto e persistente, ele criou produtos, experiências e instituições mágicos. Com isso, ele mudou o mundo. Eu aprendi muito com ele — sua curiosidade e sua busca por padrões elevados são coisas que continuarão a inspirar a mim e a todos nós na Microsoft.”