Cerca de 50.000 anos atrás, um grupo de neandertais construiu uma casa — e um banheiro — no que hoje é uma escarpa rochosa ao sul de Valência, na Espanha. Nos últimos anos, alguns desses cocôs paleolíticos, os mais antigos conhecidos como pertencentes a uma espécie humana, foram escavados e analisados. Agora, os pesquisadores tiveram um vislumbre dos ecossistemas que existiam nas entranhas desses primeiros hominídeos, a partir de um depósito fecal nos restos de uma fogueira no local.

Mais de 200 microrganismos bacterianos foram extraídos do cocô primitivo por uma equipe interdisciplinar de arqueólogos, microbiologistas e antropólogos. Os pesquisadores descobriram uma quantidade impressionante de consistência entre os micróbios residentes do intestino do neandertal e o tipo de micróbios que povoam os intestinos dos humanos modernos. Essa consistência mostra que muitos habitantes microscópicos de nossas entranhas são, na verdade, residentes de longa data, que vivem em nós há centenas de milhares de anos e coevoluíram com os hominídeos em que habitam. A pesquisa foi publicada na revista Nature Communications Biology.

De acordo com Marco Candela, microbiologista da Universidade de Bolonha e coautor do artigo, a equipe queria “ver quais microbiomas estão coevoluindo com a linhagem Homo no tempo evolutivo”. Para fazer isso, eles procuraram por micróbios que humanos contemporâneos pudessem compartilhar com os neandertais.

Obter uma reconstrução inicial de um intestino humano é útil para contextualizar a aparência de nossos microbiomas hoje; os pesquisadores querem saber quais bactérias permaneceram conosco e quais desapareceram totalmente de nossos ecossistemas internos. Micro-organismos com poder substancial de permanência nos intestinos dos mamíferos foram chamados de “velhos amigos” em meados dos anos 2000, e sua coevolução conosco foi ligada à maneira como os humanos viveram por centenas de milhares de anos.

Compreender os Neandertais nos permite mapear melhor nosso próprio caminho evolutivo. Foto: CESAR MANSO/AFP via Getty Images (Getty Images)

Os dados mais antigos do microbioma intestinal de humanos têm cerca de 8.000 anos — nem mesmo precede a última era do gelo, que terminou há cerca de 11.000 anos. Isso deixou os pesquisadores em apuros quando se trata de compreender o interior de nossos primeiros ancestrais. O cocô de neandertal data de cerca de 40.000 anos – pouco antes de os neandertais como os conhecemos desaparecerem do registro evolucionário.

“A questão é que identificamos alguns microrganismos que são compartilhados entre os humanos modernos e os neandertais”, disse Candela. “Isso significa que esses microrganismos habitam o intestino da linhagem humana desde antes da segregação das linhagens de neandertal e sapiens.”

Um achado importante no cocô de neandertal foi a inclusão de bactérias produtoras de ácidos graxos de cadeia curta, muitas das quais permitem que os humanos extraiam energia extra da fibra alimentar, e uma das quais os pesquisadores acreditam que pode ter fornecido benefícios à saúde para as mães primitivas e seus filhos. Mas assim como os micróbios bons pegam carona em nossas entranhas, o mesmo acontece com os ruins — os pesquisadores também encontraram patógenos bacterianos nas fezes que permanecem até hoje, causando doenças orais e dentais em humanos modernos.

Segundo Candela, os microbiomas de populações que vivem de maneira tradicional e rural, como os Hazda, grupo de caçadores-coletores do norte da Tanzânia, tendem a ter intestinos mais parecidos. Do outro lado estão os humanos que habitam ambientes urbanos, que isolam nossas entranhas e tornam nossos residentes bacterianos menos semelhantes de pessoa para pessoa. O artigo descreve uma perda total da diversidade bacteriana no intestino humano moderno e uma situação em que os intestinos de cada um não estão se comunicando como faziam em nosso passado evolutivo. “Cada um de nós é como uma ilha”, disse Candela.

Frequentemente, o caminho evolucionário humano é descrito de forma heroica — dentre muitos humanos primitivos, o nosso foi o único a ter sucesso. Mas, como mostra o microbioma neandertal, dificilmente estivemos sozinhos nessa jornada. Muitos micro-organismos seguiram o mesmo caminho.

“Com base nesses resultados, podemos prever a profundidade simbiótica de tempo entre humanos e alguns micróbios corresidentes de pelo menos um milhão de anos”, escreveu a coautora Stephanie Schnorr em uma publicação da Nature sobre a pesquisa. “Isso implica uma relação fisiológica fixa que está ligada ao desenvolvimento normal e à saúde na longevidade entre humanos e neandertais como um legado antigo.”

Esperamos que mais fezes sejam estudadas no futuro, para que possamos desvendar ainda mais as entranhas que nos tornaram quem somos.