O Facebook anunciou novas medidas de segurança para o Instagram em resposta à chuva de críticas que recebeu após a divulgação de documentos e sequencia de matérias do jornal americano Wall Street Journal

Em uma entrevista ao “State of The Union” da CNN, Nick Clegg, vice-presidente de assuntos globais da empresa, afirmou que o Facebook lançaria três novas medidas para ajudar a melhorar a experiência que adolescentes vulneráveis ​​têm no Instagram. A empresa permitirá que adultos monitorem o que seus adolescentes estão fazendo online se assim escolherem, estimularem usuários que estão vendo muito conteúdo prejudicial para conteúdos diferentes e solicitar que os adolescentes “façam uma pausa” no Instagram.

As medidas foram apresentadas como possíveis ideias e soluções pelo chefe do Instagram Adam Mosseri no final de setembro, quando ele anunciou que a empresa estava interrompendo o trabalho em uma versão do aplicativo para crianças com menos de 13 anos. O anúncio de Clegg no domingo confirmou que as medidas agora fazem parte do plano do Facebook daqui para frente.

“Não podemos mudar a natureza humana”, disse Clegg. “Você sempre se compara com os outros, principalmente aqueles que são mais afortunados com você, mas o que podemos fazer é mudar nosso produto, que é exatamente o que estamos fazendo”.

Na entrevista, Clegg classificou o problema do Facebook como um desafio que a sociedade deve enfrentar e reforçou a afirmação da empresa de que o Instagram é uma experiência positiva para a “esmagadora maioria” dos adolescentes que o usam e sofrem de insônia, ansiedade e depressão.

No entanto, os comentários de Clegg contrastam fortemente com uma série de reportagens publicada pelo Wall Street Journal, que baseou em documentos internos fornecidos por Haugen. Nos documentos, pesquisadores internos do Facebook disseram que a empresa piorou os problemas de imagem corporal para 1 em cada 3 adolescentes que os vivenciam.

“Os adolescentes culpam o Instagram pelo aumento da taxa de ansiedade e depressão”, disseram os pesquisadores em uma apresentação interna. “Essa reação foi espontânea e consistente em todos os grupos.”

Outra apresentação descobriu que 13% dos usuários britânicos e 6% dos usuários americanos que tiveram pensamentos suicidas rastrearam seu desejo de se matar no Instagram, relatou o Journal. O Facebook contestou a caracterização do canal de comunicação sobre sua pesquisa.

Em resposta à afirmação de Haugen de que o Facebook colocava lucros sobre o bem-estar mental dos adolescentes em sua plataforma, Clegg citou o investimento de US$ 13 bilhões que a empresa fez em segurança, que é “mais do que a receita total do Twitter nos últimos quatro anos”. Ele também declarou que a empresa tem 40.000 pessoas, ou mais do que o dobro do número de funcionários em Capitol Hill, que trabalham nessas questões.

“Como eu disse, não podemos balançar uma varinha mágica e tornar a vida de todos perfeita. O que podemos fazer é melhorar nossos produtos para que sejam tão seguros e agradáveis ​​de usar ”, disse Clegg.