Madeireiros cortaram e levaram ilegalmente um cedro vermelho de 800 anos que era uma das maiores árvores da região de Vancouver Island. Agora já era. A árvore foi roubada em uma operação em dois passos que se desenrolou ano passado.

O esquema para roubar a árvore em dois momentos foi bem pensado: ela já tinha 80% dos seus 2,7 metros de diâmetro cortado antes que o dano fosse descoberto por oficiais do parque, que por sua vez a consideraram perigosa para permanecer de pé. O Carmanah Walbran Provincial Park em Vancouver Island, onde a árvore estava localizada, decidiu cortá-la e então deixá-la se decompor naturalmente.

Foi ali que a segunda parte do plano para raptar a árvore começou, os suspeitos contratados para terminar de cortar a árvore supostamente voltaram ao local depois que ela caiu e rebocaram pedaço por pedaço do gigantesco cedro. É pouco provável que os oficiais do parque ou a polícia encontrem os meliantes (a menos que alguém comece um saldão de lenha pela Internet), mas eles acreditam que a árvore tenha sido roubada para a fabricação de telhados. Os responsáveis devem ter tido acesso a equipamento pesado e grandes caminhões porque “suportes para lenha em pickups normais não conseguem lidar com o tamanho daquela árvore.”

Mas por que roubar uma… árvore? O sargento Dave Voller explicou ao Canadian Press o que os ladrões podem extrair dessa madeira quase milenar:

“Obviamente há muito mais ganhos do que ir lá e fazer uma pilha de lenha. Um caminhão carregado com cedro poderia valer milhares e milhares de dólares.”

Eu consigo imaginar vocês, ladrões do meio ambiente, saindo e trocando histórias com os ladrões de pontes. Veja a foto da árvore roubada aqui. [Windsor Star via MSNBC]