Facebook, Flickr, Picasa, Photobucket. Mesmo aqueles que consideram a internet uma criação de demônios e feiticeiros conhecem esses nomes. E provavelmente todo mundo no seu círculo de conhecidos já tenha usado ao menos um deles para armazenar e mostrar por aí as suas fotos pessoais.

Mas o mercado para esse serviço não está mais limitado a poucos serviços dominantes. Hoje em dia não dá pra jogar uma lente de 500mm no mato sem acertar um ou dois serviços que não querem nada além de armazenar as suas fotos. Alguns deles são bem bons. A nossa intenção aqui é te fazer encontrar alguns desses.

Como em muitos outros casos, a qualidade do que você tem é proporcional ao valor que você paga. Já estão distantes os dias em que você era forçado a aturar toneladas de banners e gifs em uma interface crua. Hoje, uma qualidade refinada não é incomum. Mas também não é gratuita.

Por último, as nossas escolhas não são definitivas. Por exemplo, nós deixamos de fora serviços como o Exposure Manager e o Photo Shelter, já que eles são claramente direcionados aos profissionais que ganham a vida com suas fotografias.

E não esqueça: ao escolher o seu serviço, antes de se cadastrar, procure na internet por códigos promocionais (promo codes). Não são difíceis de achar.

500px

Os números: 6 milhões de visitas totais; 3 milhões de visitantes únicos; 200.000 membros; fundado em 2003; independente.

Como é: Ele pode ter sido fundado em 2003, mas só em 2011, depois de um redesign, o canadense 500px tem conseguido a atenção que merece. Nele é possível compartilhar e até vender as suas fotos (a venda só é possível com uma conta “Awesome”), mas o foco está em simplesmente exibir o seu trabalho.

O problema é que muitos fotógrafos fodões usam o 500px, e vários deles enviam tantas imagens incríveis que as suas provavelmente afundarão no vórtex do conteúdo curado. Segundo o fundador Ian Sobolev, “os fotógrafos postam centenas de fotos no Flickr, e então escolhem as dez melhores para postar no 500px”. Usando o serviço, esse parece mesmo ser o caso.

Este não é o serviço ideal para postar aquele monte de fotos da sua última viagem. Mas se algumas delas ficaram realmente boas, ou se você se especializa em coisas bem específicas e bem feitas, o 500px oferece um ambiente elegante e fácil onde mostrá-las.

O plano básico do 500px tem uploads ilimitados, acesso completo à comunidade e um blog, mas o plano “Awesome” tem upgrades de tema, domínios personalizados e outros benefícios.

Preço e destaques: O plano “Awesome” custa US$ 50 ao ano e inclui domínio pessoais e customização completa do site.

Melhor para: Fotógrafos estabelecidos e com muitos exemplos da sua excelência, ou fotógrafos medianos com um lado criativo.

deviantART

Os números: 13 milhões de usuários registrados; 35 milhões de usuários únicos por mês; fundado em 2000; independente.

Como é: Por que uma comunidade se juntaria ao redor de um lugar em que os membros são chamados de “deviants” (“depravados”), e as suas obras de “deviations” (“depravações”)? Não sei, mas é o que acontece no deviantART, uma das nossas opções mais únicas e cheias de personalidade.

O deviant é pensado mais para o artista do que para o fotógrafo (apesar de funcionar bem também para o fotógrafo, que por sinal também é artista). Além disso, o site é conhecido pela sua… liberdade de expressão. De vez em quando você vai se deparar com representações de nudez e/ou violência. Pornografia direta é estritamente proibida, e o site classifica tudo como “conteúdo maduro”, mas ainda assim não pode ser considerado um local seguro para crianças.

O que ele é, no entanto, é um ótimo lugar para interação social com outros usuários. Os comentários são inventivados, as discussões e enquetes são abrangentes e o espírito de comunidade é evidente em qualquer parte do site. O dART também conta com os recursos esperados de um site de armazenamento de fotos, além da “Prints Shop”, onde obras são compradas e vendidas.

Preço e destaques: Grátis para assinatura básica, com verificação de idade. Assinatura Premium custa US$ 5 por mês ou US$ 30 por ano e traz navegação melhorada, remoção de publicidade e vários outros benefícios.

Melhor para: Qualquer um com uma mente aberta; indivíduos criativos; aqueles que querem envolvimento de comunidade.

Dropshots

Os números: Mais de 10 milhões de fotos e vídeos armazenados; fundado em 2005; independente.

Como é: Nós incluímos o Dropshots porque, como muitos outros sites “de segunda”, ele prova por que os Flickrs e Photobuckets têm a quantidade de usuários que têm. Serviços populares mais antigos, como o Shutterfly e o Snapfish têm aquela aparência de “baixo orçamento” (interfaces bagunçadas e cheias de propagandas e truques de marketing), mas o Dropshots é provavelmente mais decepcionante porque é se diz de “nova geração”, quando não aparenta ser.

Ele não é um site terrível. A criação de álbuns é extremamente fácil – o site organiza suas fotos direitinho usando ordem cronológica –, assim como o compartilhamento. E ele tem um programinha que você pode instalar para fazer uploads de imagens diretamente do Windows Explorer, apenas arrastando-as para o serviço. Não poderia ser mais fácil.

Mas para que ele fosse considerado um serviço de “nova geração”, deveria haver um refinamento visual que simplesmente não está lá. As interfaces são bem genéricas e poluídas. Pior ainda: as fotos, quando observadas em tamanhos grandes, pareceram mais indistintas do que em qualquer outro serviço que testamos. Tentamos encontrar uma ferramenta de edição para dar uns retoques, mas não existe nada relacionado a edição no Dropshots.

No fim, descobrimos que teríamos que fazer um upgrade da conta gratuita do Dropshots para ver as fotos na resolução real, ou se tivéssemos mais de 500 para fazer upload.

Preço e destaques: Dois níveis aqui, sendo a alternativa anual paga tão cara quanto a de alguns sites bem melhores, a US$ 60 ao ano. O Dropshots tem, no entanto, uma opção de assinatura vitalícia por US$ 100 que pode significar uma economia grande a longo prazo.

Melhor para: Fotógrafos iniciantes sem saco para procurar serviços melhores.

Razzi

Os números: Fundado em março de 2010; independente.

Como é: “Tem que ser rápido. Tem que ser fácil. Tem que te conectar. É o seu conteúdo.” Com estes objetivos declarados, o Razzi, definitivamente um novato no mundo da hospedagem de fotos, foi lançado ano passado. E no que diz respeito à simples conveniência na organização e carregamento das fotos, poucos serviços são melhores. Nós subimos as nossas primeiras fotos poucos minutos depois de começar a navegar no site e logo depois estávamos arrastando e soltando elas por ali. Comparado a alguns outros sites, o Razzi é moleza.

Mas ele não é uma solução completa. Por exemplo, não dá para editar as suas fotos online, encomendar impressões ou desenvolver uma página personalizada. Também não é possível se livrar das propagandas. Se bem que você provavelmente não iria querer isso. Explico: o Razzi tem um esquema semelhante ao do YouTube, em que ele divide com o usuário a receita da publicidade veiculada nas páginas das suas obras. É um conceito bacana que, se bem implementado, pode ajudar o Razzi a prosperar no futuro.

Mesmo sem a conexão do AdSense, o Razzi é bom. É fácil de usar (como já dissemos) e oferece amenidades com uploads infinitos, proteção de clique direito nas fotos, streams de atividade dos amigos e até mesmo um app para iPhone.

Preço e destaques: O Razzi oferece dois níveis de serviço. Um é gratuito (com 50% de participação no AdSense das suas fotos), o outro custa US$ 7 por mês (com 100% dos lucros do AdSense para você, além da possibilidade de acesso às fotos na resolução original).

Melhor para: Quem procura uma solução bem simples e fácil de usar; quem acha que as suas fotos podem ter sucesso comercial.

SmugMug

Os números: 1,5 bilhão de fotos; 91 empregados; fundado em 2002; independente.

Como é: Bastante popular entre fotógrafos profissionais que geralmente decidem entre serviços especializados como este ou sites pessoais feitos sob encomenda, o SmugMug é mais famoso pelo seu ultra atencioso serviço de suporte, que geralmente responde mensagens em poucos minutos (nós testamos). As galerias são limpas e com uma estética luxuosa, as impressões são boas, e o fórum de usuários, o Digital Grin, está cheio de dicas para levar a sua presença online além do normal.

No entanto, este não é o lugar ideal para compartilhamento de imagens. Apesar de presente, o recurso nem de longe é uma peça tão importante aqui quanto em sites como o Flickr. E o serviço não é barato. Não há opção gratuita, e a mais cara custa US$ 150 ao ano, dando a opção do fotógrafo usar seu próprio domínio.

Mesmo assim, nós gostamos bastante do SmugMug, particularmente pela sua conveniente e ótima integração com aplicativos de edição e organização de fotos como o Adobe Lightroom. Descobrimos que dá para encher os nossos álbuns do SmugMug sem nem sair do Lightroom, e isso é bacana.

Preço e destaques: Três níveis, e nenhum deles é grátis. O plano Basic, por US$ 5 ao mês ou US$ 40 ao ano, tem armazenamento ilimitado e nenhuma publicidade; o plano Power, por US$ 8 ao mês ou US$ 60 ao ano, adiciona vídeos, personalização do site e proteção de fotos; e o plano Pro, por US$ 20 ao mês ou US$ 150 ao ano, oferece também recursos profissionais de e-commerce.

Melhor para: Fotógrafos dedicados e profissionais que não estão procurando aprovação ou interação social, mas sim sofisticação e vendas do seu trabalho.

Snapfish

Os números: 90 milhões de membros em mais de 20 países; 2 bilhões de fotos armazenadas; fundado em 2000; pertence à Hewlett-Packard.

Como é: Um dos grande veteranos do espaço, o Snapfish é também um dos mais poluídos. Mas nós decidimos inclui-lo mesmo assim, já que a sua abordagem antiquada pode ter feito com que ele ainda não tenha sido percebido por muitos.

Mirando geralmente os mais amadores entre os fotógrafos (apesar da sua nova seção “Stock Images” trazer uma espécie de e-commerce), o Snapfish vem sem muitas das facilidades encontradas em SmugMugs e Zenfolios da vida. Mas os milhões de usuários que continuam nele não parecem se importar.

O Snapfish oferece compartilhamento e armazenamento ilimitado das suas imagens gratuitamente, mas com uma pegadinha: você precisa manter uma “participação ativa” no site para não arriscar ter a sua conta cancelada, e isso significa encomendar impressões, presentes ou merchandise ao menos uma vez por ano. De canecas a livros, cartões, calendários e muito mais, não faltam produtos personalizáveis para você escolher, nem propagandas querendo te vender alguma dessas coisas o tempo inteiro.

Apesar disso, o ganha-pão do site (a impressão das suas fotos em produtos) não é visto como de qualidade muito boa. Ainda assim, a grande maioria da sua multidão de usuários aparentemente não está reclamando.

Preço e destaques: Não custa nada entrar no serviço e começar a fazer upload de todas as suas fotos, mas ao menos uma vez por ano você vai ter que abrir a carteira para comprar alguma coisa – que pode ir desde alguns centavos por impressões de fotos até várias dezenas de dólares por álbuns ou canecas.

Melhor para: Consumidores preocupados com preço e que priorizem armazenamento ilimitado; quem quer compartilhar em grupos ou com a família; quem se interessa mais pelos produtos e impressões do que por exposição mundial e recursos sofisticados.

Webshots

Os números: 7 milhões de visitantes por mês; 520 milhões de fotos; fundado em 1995; pertence à American Greetings.

Como é: Um dos verdadeiros pioneiros, o Webshots está em serviço há quase duas décadas. Neste tempo todo, ele acumulou uma grande base de usuários e, claro, de fotos.

Trata-se de um serviço que você vai conseguir aturar, mas que não é espetacular, e que mostra a sua idade em diversos momentos (muitos anúncios, interface pouco elegante, recursos de edição questionáveis). Ele é digno de nota, no entanto, pelos seus altamente personalizáveis cartões (afinal, ele é de propriedade da American Greetings, uma empresa especializada nisso) e pelo novo “Project Exposure”, um projeto que coloca as fotos dos usuários em cartões distribuídos em grandes lojas americanas como a Target. Nós também gostamos do recurso Picture Shows, no qual você pode produzir pequenos vídeos bacanas a partir das suas fotos, com músicas que você escolhe no site e legendas. Fizemos o nosso primeiro Picture Show em questão de minutos.

Preço e destaques: O serviço padrão gratuito do Webshots será bem vindo por quem gosta de economizar, mas o site não economiza em publicidade e recursos cortados para os usuários deste plano. O plano “Gold” custa US$ 20 ao ano e se livra da maioria dos incômodos, adicionando a possibilidade de fazer download das fotos. Já o plano Platinum, por US$ 30 ao ano, adiciona a possibilidade de fazer download também dos Picture Shows. Um grande problema: nenhum dos três planos oferece uploads ilimitados: no gratuito, você pode armazenar apenas 1000 fotos, e esse número passa para 5000 nos planos pagos.

Melhor para: Sujeitos econômicos que têm lugares melhores para gastar seu dinheiro; pessoas que realmente querem ver as suas fotos em cartões festivos.

Zenfolio

Os números: Fundado em 2004; independente.

Como é: Vá para qualquer fórum sério de fotografia e você verá dois serviços de armazenamento sendo defendidos com unhas e dentes: o SmugMug e o Zenfolio. Mas isso significa que algum deles seja o melhor para você? Isso vai depender de onde você está na sua jornada como fotógrafo.

Se você leva a sério o seu equipamento, e tem talvez até mais do que uma DSLR e uma respeitável coleção de lentes, se você já vê trabalhos pagos no seu futuro, você sem dúvida vai se beneficiar dos recursos do Zen/Smug. Eles são parecidos em muitos sentidos (como não ter opção gratuita e ter uma configuração complexa). E o Zenfolio, em parceria com a veterana gráfica MPix, é considerado por muitos como o melhor lugar para pedir impressões. O armazenamento ilimitado (disponível em todos os planos que não o Basic) é outra grande vantagem para fotógrafos sérios, assim como as maravilhosas e completamente personalizáveis galerias.

Como também o caso no SmugMug, compartilhamento e interação social não são os pontos fortes do Zenfolio. Na verdade, ele se orgulha da privacidade e proteção de imagem que oferece aos seus usuários – algo inteligente quando se considera quem é a sua base de usuários.

Preço e destaques: No Zenfolio, você tem que pagar para brincar. No entanto, a sua conta Premium, a US$ 100 ao ano, é uma das menos caras formas de comercializar as suas fotos online. O plano Basic (2GB de armazenamento, design diferente) custa US$ 25; o Unlimited (sem limites, possibilidade de uso de domínio próprio) fica por US$ 50; Premium (e-commerce, múltiplas melhorias): US$ 100; Premium Business (tudo e mais um pouco): US$ 250. Preços anuais.

Melhor para: Quem se leva a sério, sabe que é um bom profissional e quer um lugar para colocar e quem sabe vender suas obras.

O MaximumPC traz as últimas notícias, reviews e tutoriais do mundo do PC.