Keyssa Kiss pode parecer o nome de uma estrela pornô, mas é o nome de uma forma incrível para conectar dispositivos entre si.

Está vendo, na imagem acima, aqueles dois quadradinhos pretos na placa de plástico? Eles são os conectores. E eles não precisam sequer tocar seu smartphone, tablet ou PC. Eles ficam sob a superfície do seu dispositivo, e a conexão transfere dados a até 6 gigabits por segundo.

Se o dispositivo – um HD externo, por exemplo – tiver um carregador sem fio no padrão Qi, você também não precisará de conectores para fazê-lo funcionar. Basta encostá-lo no seu notebook: isso conecta os dois, e permite transferir arquivos imediatamente entre eles.

Keyessa Kiss (2)
A capa para discos SSD da Keyssa, feita em impressora 3D. Nada de metal exposto.

É exatamente isso que a Keyssa está exibindo na feira CES. A transferência de dados funciona usando sinais sem fio de alta frequência e de distância curtíssima. Os conectores sem fio usam EHF – frequências de 30 a 300 gigahertz – geralmente empregadas na radioastronomia.

Como se trata de uma daquelas promessas em que só acreditamos vendo, fizemos este vídeo mostrando o pequeno SSD largado em cima de um notebook e, então, transferindo um arquivo a ele numa velocidade altíssima.

Sem fios, sem portas, apenas dados sendo sugados quase que por osmose. Chama-se Kiss, de keep it simple, stupid. A Keyssa vem desenvolvendo essa tecnologia em segredo há cinco anos.

Talvez esteja passando pela sua cabeça a ideia de que, de repente, as pessoas poderiam transferir tudo via Wi-Fi, sem precisar encostar fisicamente os dois gadgets. É uma possibilidade, mas daí os dois precisariam de uma antena Wi-Fi e de baterias para energizá-la. Dê uma olhada na espessura mínima do SSD, algo possível apenas porque ele dispensa fios e baterias. E a Keyssa diz que o preço será competitivo comparado aos modelos tradicionais.

Keyessa Kiss (3)

Sabe quem está por trás disso? Tony Fadell, CEO da Nest – adquirida pelo Google – e o designer do primeiro iPod. Ele é presidente da Keyssa, e disse à Bloomberg Businessweek em novembro: “nos últimos 25 anos, venho lidando com conectores de metal delicados que acrescentam buracos feios em produtos lindos. Espero que a conectividade Kiss dê início a uma onda imediata de inovação no design industrial.”

A Keyssa diz que já está trabalhando com as maiores fabricantes do mundo; na verdade, ela tem o apoio financeiro da Intel e Samsung. Os produtos com esse padrão devem começar a aparecer no mercado no segundo semestre desse ano.