A todas as sondas espaciais que já amamos: desculpe! Vocês caíram em Saturno, foram levadas para o espaço profundo, acabaram sufocadas pela poeira marciana — tudo pelo bem maior da ciência. Hoje, estamos homenageando os exploradores espaciais que tiveram finais dramáticos muito, muito longe da Terra.

Cassini, Saturno

A última imagem da Cassini foi tirada em 14 de setembro de 2017.
Imagem: NASA

A Cassini, depois de orbitar Saturno por 13 anos frutíferos, foi desativada em 2017 de uma das formas mais épicas imagináveis, quando os engenheiros da Nasa instruíram a sonda a mergulhar diretamente no planeta anelado. Durante sua vida, ela jogou luz em reinos alienígenas onde o metano corre como água e gêiseres de gelo jorram no espaço. Ela também capturou a dança assustadoramente bela das luas de Saturno, sendo que pelo menos duas delas — Titã e Encélado — poderiam abrigar vida.

Em seus últimos dias, a Cassini estava ficando sem combustível e a Nasa não queria correr o risco de uma sonda fora de controle colidir (e contaminar) uma dessas luas. Quando ela atingiu a atmosfera de Saturno, provavelmente queimou e se desintegrou em poucos minutos, segundo a agência espacial. Com outros dados que estava pegando durante seu mergulho fatal, a espaçonave enviou imagens de volta à Terra. A última imagem, acima, mostra um Saturno iminente — enorme no campo de visão da Cassini — que dá as boas-vindas à sonda em sua queda final. Na parte inferior da imagem, os anéis são visíveis. A metade superior da imagem mostra o planeta à noite, de costas para o Sol, mas ainda iluminado pela luz refletida nos anéis.

Imagem captada pela Cassini em 6 de dezembro de 2007. Três luas estão visíveis. Imagem: NASA/JPL-Caltech/Space Science Institute

Opportunity, Marte

As últimas imagens do Opportunity mostram um vislumbre do Sol em meio a uma tempestade de areia em junho de 2018.
Imagem: NASA / JPL-Caltech / Cornell / ASU

Pense em uma coisa sinistra. Enquanto a imagem final da Cassini cobre uma faixa luminosa da superfície de Saturno, a última visão do rover Opportunity da Nasa foi apenas um lampejo de luz através de um céu escuro de Marte. Na verdade, a saga do veículo espacial terminou com uma intensa tempestade de poeira em 2018, 14 anos a mais que a vida útil do equipamento prevista no Planeta Vermelho. Não se pode distinguir muito nas duas imagens, a não ser um ponto ligeiramente mais claro em ambas. Esse é o Sol, quase bloqueado pela tempestade de poeira que atingiu todo o planeta e selou o destino de Oppy.

Esta imagem, capturada pelo Opportunity em 31 de março de 2016, mostra um redemoinho no Marathon Valley, em Marte. Imagem: Nasa/JPL-Caltech

Messenger, Mercúrio

O orbitador Mercury quebrou pouco depois disso.
Imagem: NASA / Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins / Carnegie Institution of Washington

Os orbitadores tendem a sair de cena de maneira mais dramática do que os veículos espaciais. O mergulho da Cassini na atmosfera de Saturno foi emocionante, mas imagine o som que uma nave faria ao atingir a superfície de um mundo rochoso a toda velocidade. Foi o que aconteceu com o orbitador Messenger da Nasa, a primeira espaçonave a orbitar Mercúrio. Ele circundou o planeta mais próximo do Sol por quatro anos (três a mais do que o planejado!), culminando em um mergulho de cabeça. Em 30 de abril de 2015, a Messenger transmitiu uma imagem de Jokai, uma cratera quase tão larga quanto o Canal da Mancha. Foi a última imagem que a espaçonave pioneira enviaria; mais tarde naquele dia, ele caiu ao norte da bacia de Shakespeare do planeta. Foi muito teatral — o bardo ficaria orgulhoso.

Huygens, Titã

As únicas imagens que temos da superfície de Titã vêm da sonda Huygens, de curta duração. A vida poderia estar em algum lugar além deste horizonte?
Imagem: ESA / NASA / JPL / University of Arizona

Tendo pegado carona em Saturno a bordo da Cassini, a sonda Huygens foi encarregada de descer pela atmosfera de Titã, a maior lua de Saturno, que alguns astrobiólogos acreditam poder hospedar vida microbiana. Durante sua descida de pára-quedas em 14 de janeiro de 2005, Huygens coletou informações sobre a atmosfera, o vento, a atividade eletromagnética e a química de Titã. Assim que a sonda pousou – os cientistas não tinham certeza se a superfície seria líquida ou sólida; acabou sendo o último – começou a tirar imagens de seus arredores estranhos. Titã continua sendo a superfície mais distante na qual os humanos pousaram uma espaçonave. Huygens transmitiu dados deste local por pouco mais de uma hora antes de ficar em silêncio.

Vênus, em toda sua glória quente fedorenta.
Imagem: Academia de Ciências da URSS / Brown University

Décadas antes das outras missões desta lista, a URSS lançou uma série de sondas para Vênus. O programa Venera (russo para “Vênus”) foi executado de 1961 a 1983 e incluiu uma série de espaçonaves, orbitadores e pousadores flyby. Quatro dessas sondas – Venera 9, 10, 13 e 14 – retornaram imagens da superfície venusiana. Mas as imagens da Venera 13 foram as primeiras em cores.

Assine a newsletter do Gizmodo

A superfície de Vênus tem quase 900 graus Fahrenheit, com a pressão de muitas dezenas de atmosferas terrestres. Venera 13 sobreviveu apenas cerca de duas horas no planeta hostil, enviando imagens panorâmicas de volta para a Terra. Uma dessas imagens era colorida: a paisagem parece amarela devido à densa atmosfera. Uma versão da imagem com os efeitos atmosféricos removidos revela um trecho de rocha e terreno empoeirado, mas não muito mais. Uma tampa de lente descartada e a borda do módulo de pouso são visíveis no centro.

Embora a NASA tenha chegado a Vênus com a missão Magellan, a espaçonave nunca chegou à superfície do planeta. Em 1994, mergulhou na atmosfera de Vênus, onde queimou. Esperançosamente, as próximas missões da agência a Vênus – VERITAS e DAVINCI+ – nos proporcionarão melhores vistas do terreno inóspito de Vênus.

A visão final da Beresheet antes de colidir com a superfície lunar.
Imagem: SpaceIL / Twitter

Em 2019, o módulo lunar Beresheet de Israel sofreu uma falha durante a descida que impediu a desaceleração para um pouso suave. Em vez disso, a sonda caiu na superfície, encerrando a missão antes mesmo que ela pudesse começar. Se a missão Beresheet tivesse sido bem-sucedida, teria sido a primeira espaçonave construída de forma privada a pousar na lua. Agora, parece que a honra pertencerá à SpaceX, embora ainda existam obstáculos.

O panorama final do Spirit, tirado cerca de um mês antes de escurecer.
Imagem: Mars Exploration Rover Mission, NASA, JPL, Cornell; Processamento de imagem: Kenneth Kremer, Marco Di Lorenzo

Como muitos rovers de Marte da NASA, o Spirit permaneceu operacional bem além de sua expectativa de vida. E quando finalmente sucumbiu à hospitalidade do Planeta Vermelho, não foi a atmosfera extremamente fina ou as temperaturas frias que o fizeram. Não foi nem mesmo uma tempestade de poeira intensa como a que o Opportunity enfrentou. Não, era uma sujeira macia que agia como areia movediça, prendendo o Spirit no lugar em maio de 2009. Em janeiro de 2010, o Spirit foi reclassificado como um instrumento científico estacionário.

Mas o rover – ahn, instrumento científico estacionário – estava preso em um ângulo que não recebia energia suficiente de seus painéis solares. Em março de 2010, o Spirit ficou quieto e a NASA não teve mais notícias do veículo espacial desde então. Seu último panorama mostra a cratera que se tornou seu local de descanso final. Talvez quando os humanos um dia chegarem a Marte, eles possam finalmente libertar o rover.

Bem, há todas as pessoas que você já conheceu ou conhecerá de uma só vez.
Imagem: NASA / JPL-Caltech

Embora não estejam realmente mortas, as sondas Voyager estão em uma missão unilateral fora do sistema solar, e suas últimas imagens foram capturadas em 1990. A foto acima foi tirada em fevereiro de 1990, quando a Voyager 1 – o ser humano mais distante objeto feito – estava a 3,7 bilhões de milhas do Sol, apenas 30 dias antes de a nave desligar suas câmeras para conservar energia para a longa jornada à frente. (A espaçonave ainda está avançando, agora a 14,2 bilhões de milhas do Sol e detectando todos os tipos de fenômenos estranhos) esta imagem borrada foi ideia de Carl Sagan; ele sugeriu à NASA que uma das sondas Voyager olhasse para a Terra, revelando nosso mundo como um “ponto azul claro” na vastidão do espaço. Este retrato incomparável da humanidade foi capturado apenas meia hora antes que a Voyager desligasse suas câmeras. Vale a pena? Sem sombra de dúvida.