O habitantes de Los Angeles já estão acostumados com as bolas de plástico flutuando nos reservatórios hídricos da região. Mas o restante do mundo pode estar se perguntando por que a cidade está transformando um reservatório em uma gigantesca piscina de bolinha gótica. A resposta? Para manter a água limpa, impedindo que ela evapore durante a seca.

Nessa segunda, Eric Garcetti, prefeito de Los Angeles, despejou 20.000 das chamadas “bolas sombra” no reservatório de Los Angeles. É o estágio final do plano de proteção da qualidade da água da cidade, um esforço que custou US$ 34,5 milhões. Uma bola sombra, que soa mais como um golpe de algum Pokémon, é na verdade um inteligente dispositivo que limpa a água: cada uma delas reduz a evaporação, protegendo a água de animais e sujeira e custa meros 36 centavos de dólar cada. Um total de 96 milhões dessas bolinhas foram despejadas no reservatório de mais de 70 hectares que armazena até 12,5 bilhões de litros de água.



Los Angeles é a primeira cidade a usar este tipo de inovação para manter a qualidade da água. As bolas sombra também são úteis para controlar o crescimento de algas e prevenir a ação de reações químicas que podem ocorrem entre o sol e o cloro. Em um release, a cidade afirma que as bolas são uma “forma econômica de reduzir a evaporação de cada ano em até 1,14 bilhões de litros, o suficiente para providenciar água potável para 8.100 pessoas por um ano inteiro”.

As bolas flutuantes de cor ônix se juntam a novas inovações de controle da seca que surgiram em anos recentes: uma startup ajuda fazendeiros a instalar sensores que leem os níveis do solo e dizem quais são os melhores horários para a irrigação, por exemplo. Enquanto isso, esse apanhador de neblina portátil armazena umidade do ar e pronto: água para o seu café. Além também do Nebia, um chuveiro de neblina que economiza até 70% de água.

Medidas para evitar a evaporação da água em reservatórios não são novidade — um composto químico que se transforma em uma fina película sobreposta à superfície da água é estudado há muito tempo e promete reduzir a velocidade da evaporação. Segundo Marcos Gugliotti, engenheiro químico criador da invenção, testes com o produto chegaram a reduzir a taxa de evaporação em até 50%. Porém, mesmo atóxico e biodegradável, o composto segue apenas em fase de testes e ainda não é produzido em larga escala. [Los Angeles Department of Water and Power and LAMayor.org via Bloomberg, Revista TAE]

Foto de capa: Eric Garcetti, prefeito de Los Angeles ajuda a despejar as bolas no reservatório de Los Angeles/LAMayor.org