Fugir do seu país para buscar refúgio em outro lugar não é algo incomum: tome como exemplo Edward Snowden, hoje na Rússia; ou Henrique Pizzolato, que fugiu para a Itália. Mas, desta vez, vimos um plano de fuga ainda mais ambicioso: esta manhã, em um voo da Ethiopian Airlines rumo à Itália, o copiloto sequestrou o próprio avião para tentar buscar asilo na Suíça.

De acordo com a polícia local, o copiloto Hailemedhin Abera trancou a porta da cabine quando o piloto do avião estava no banheiro e, em seguida, assumiu o controle. Ele ultrapassou o destino previsto (Roma) e rumou para Genebra, na Suíça. Há uma gravação on-line, descoberta pela Reuters, que parece ser do piloto pedindo asilo no país.



O Flight Radar mostra que o avião circulou o Aeroporto Internacional de Genebra várias vezes antes de pousar. Aparentemente, as negociações entre o copiloto e os funcionários do aeroporto continuaram até ele sair do avião. Então ele se entregou à polícia.

Policiais dizem que Abera sequestrou o avião porque “ele não se sentia seguro em casa”. O governo da Etiópia vem recebendo críticas por restringir a liberdade de expressão e perseguir membros da oposição e minorias. Mas não está claro porque ele escolheu a Suíça, já que o país está restringindo o acesso a imigrantes no país. Um promotor de justiça diz que as chances de Abera receber asilo são mínimas.

Aparentemente, ele não tinha ficha criminal… até agora. Na Suíça, ele será acusado de sequestro, o que pode lhe render até 20 anos na cadeia. E a Etiópia vai pedir que ele seja extraditado; lá, ele pode receber 25 anos de prisão.

A polícia suíça diz que “não havia risco para a tripulação ou passageiros”, mas deve ter sido bem terrível estar a bordo dessa aeronave. [Associated Press via Verge]