A mesma nação ditatorial que está expandindo seus testes nucleares também quer atrair mais turistas. No entanto, muitos visitantes da Coreia do Norte são alvo de uma bateria de inspeções de segurança tecnológicas — incluindo uma olhadela em seus hábitos de internet.

Tomando como gancho o recente comunicado do Departamento de Estados dos Estados Unidos não recomendado a visita ao país, a agencia de notícias Associated Press reporta que o país tem se esforçado para aumentar o número de turistas. No entanto, a intensa segurança no novo aeroporto de Pyongyang pode ser um banho de água fria para os planos econômicos do país. O site de alerta para viagens informa:

Os funcionários da alfândega da Coreia do Norte vão inspecionar pendrives, CDs, DVDs, telefones móveis, tablets, laptops, ou outros eletrônicos e dispositivos multimídia que, eventualmente, estiverem com o passageiro no país. Histórico de internet e cookies em computadores de viajantes ou outros dispositivos eletrônicos estão sujeitos a busca por conteúdos proibidos, como pornografia ou material crítico para o governo da Coreia do Norte. A posse de qualquer tipo de mídia, impressa ou eletrônica, criticando o regime é um ato criminoso. Trazer pornografia ao país também é considerado crime.

A AP lembra que carregar materiais pró-Coreia do Sul e bíblias está fora de questão. O que acontece se você quebrar uma dessas regras? Diz o Departamento do Estados : “A sentença para crimes pode incluir anos de detenção trabalhando ou morte.” (A AP diz que as detenções e prisões são, na verdade, bem raras).

Aparentemente, a Coreia do Norte aumentou o turismo nos últimos dois anos. Parece que o risco “controlado” e o tabu de visitar o país encorajou mais estrangeiros a incluírem o local em seus destinos de viagem. Se mais linhas aéreas conseguirem operar normalmente em Pyongyang, nós teremos que ver o que acontecerá com os pendrives e o cache do Chrome desses visitantes.

[Associated Press via The Japan Times]

Imagem do topo via AP