Você já deve saber que a Grécia está em uma crise terrível: ela se endividou muito na última década e sua economia mergulhou em uma recessão, impedindo-a de pagar os credores. No último dia 30 de junho, venceu uma dívida de € 1,6 bilhão com o FMI (Fundo Monetário Internacional) – que ainda é considerada um “atraso”, não um calote. Por isso, há quem esteja tentando ajudar.

O britânico Thom Feeney criou uma “vaquinha” no Indiegogo para arrecadar fundos e pagar esta dívida da Grécia. Até o momento, ele conseguiu o equivalente a R$ 3 milhões.

Estas são as recompensas oferecidas:

Pague € 3 e receba um cartão postal enviado da Grécia por Alex Tsipras, o primeiro-ministro grego. Vamos fazê-los na Grécia e enviá-los de lá, dando um impulso a algumas impressoras locais e aos correios.

Pague € 6 e receba uma salada grega de queijo feta e azeitona.

Pague € 10 e receba uma pequena garrafa da bebida alcóolica ouzo.

Pague € 25 e receba uma garrafa de vinho grego.

Além disso, por € 5.000, você compra um pacote de viagem para a Grécia – uma semana para duas pessoas.

Indiegogo e Grecia

O Indiegogo chegou a sair do ar por causa do interesse na campanha Greek Bailout:

Esta é uma campanha com financiamento fixo: ou seja, o dinheiro só será transferido caso a meta seja atingida dentro do prazo, que acaba em seis dias. Senão, o dinheiro é devolvido a quem contribuiu. O objetivo é chegar a inalcançáveis R$ 5,5 bilhões.

Ou seja, esta campanha muito provavelmente não dará em nada. Por que Thom resolveu criá-la, então? Ele explica no Guardian:

Eu criei a campanha de crowdfunding para apoiar o resgate à Grécia, porque eu estava cansado com a indecisão dos nossos políticos. Cada vez que uma solução para salvar a Grécia é atrasada, os políticos têm uma chance de exibir o seu poder, mas o prejuízo real cai em cima do povo da Grécia…

A maneira de ajudar uma economia em dificuldades é através de investimento e estímulo – não por austeridade e cortes. Este crowdfunding é uma reação à intimidação do povo grego pelos políticos europeus… Quero que o povo da Europa perceba que há outra opção à austeridade, apesar do que David Cameron e Angela Merkel dizem.

A crise na Grécia é resultado de muitos anos de descuido na economia. Há muito tempo, seu governo é conhecido por gastar mais do que arrecada. Desde que eles entraram na zona do euro, em 2001, ficou mais fácil obter empréstimos, e os gastos continuaram escalando.

Há dez anos, autoridades descobriram que a Grécia havia maquiado suas contas para conseguir entrar na zona do euro. Este foi o início da derrocada, que só piorou em 2008, com a crise na economia mundial.

A dívida cresceu, mas o PIB despencou cerca de 25% nos últimos sete anos. O desemprego triplicou, alcançando 26% da força de trabalho; 40% das crianças estão abaixo da linha de pobreza.

Agora, a Grécia está em uma queda de braço com os credores – a União Europeia, o Banco Central Europeu e o FMI – que exigem mudanças pesadas na economia do país, incluindo aumento de impostos e corte nas aposentadorias.

A campanha de crowdfunding tem o mérito de chamar a atenção para a economia da Grécia. Mas, mesmo que ela conseguisse atingir seu objetivo, na mais remota das possibilidades, ela não tiraria o país do buraco: a dívida total é de € 271 bilhões, o equivalente a R$ 935 bilhões.

Foto por Petros Karadjias/AP