A perfeição só existe nas ideias. Mesmo assim, apesar do atual XPS 13 ser um ultraportátil quase impecável, a Dell tem planos ambiciosos para a versão deste ano: colocar mais elementos em um corpinho que é 2% menor do que a versão anterior.

A melhoria mais notável do novo XPS 13 9300 é que sua tela de 13,4 polegadas possui uma moldura InfinityEdge nos quatro cantos e que a borda da parte de baixo é ainda menor. Com proporção de 16:10, o novo painel do XPS 13 é quase 7% maior do que a versão do ano passado, oferecendo agora um aproveitamento de 91,5% do espaço frontal.

Isso significa que a tela extra (particularmente no eixo y) deve dar ao XPS 13 uma boa melhoria quando se trata de produtividade. Afinal, há ainda mais espaço na tela.

Além disso, a tela do notebook vem com uma tecnologia EyeSafe, que promete reduzir a luz azul potencialmente danosa aos nossos olhos. Há duas opções de painel, de 1080p ou 4K, com essa última opção incluindo suporte ao HDR10.

E mesmo reduzindo ao máximo as bordas do XPS 13, a Dell ainda encontrou espaço para colocar a webcam na parte de cima da tela, que agora oferece suporte ao login Windows Hello.

A Dell também aumentou o tamanho das teclas em 9%, e o tamanho do touchpad em 17%. A companhia incluiu alguns toques sutis no design, como uma borda cortada com diamante e um chassi uniforme mais forte de alumínio. Eles também combinaram o botão liga/desliga com o leitor de impressões digitais para economizar espaço.

Na parte de dentro, o XPS 13 deve oferecer performance ainda melhor graças a validade de CPUs de 10ª geração Ice Lake da Intel, que vai do Core i3 ao Core i7.

Apesar das opções, o processador de seis núcleos i7-10710U Comet Lake anunciado em agosto do ano passado não está disponível. Essa é, provavelmente, uma decisão esperta da Dell que pode ajudar a assegurar que o XPS 13 entregue uma autonomia de bateria razoável, ainda mais se levarmos em consideração que a fabricante diz que a versão Full HD do novo XPS 13 consegue passar 19 horas longe da tomada com uma única carga.

Nos quesitos memória e armazenamento, o XPS 13 pode alcançar até 32GB de RAM e 2TB de SSD.

Dell XPS 13 2020 (esquerda) ao lado do Dell XPS 13 2019Vistos lado a lado, dá para perceber quanto espaço o novo XPS 13 (esquerda) realmente oferece. Foto: Sam Rutherford/Gizmodo

Numa comparação direta com o modelo do ano passado, o novo XPS 13 parece mais elegante e minimalista do que antes, com uma série de pequenos ajustes que se combinam para impressionar.

Depois de passar alguns minutos com o novo XPS 13, estou um pouco contente por a Dell ainda não ter decidido fazer um redesenho completo. Dito isto, eu gostaria que a empresa tivesse encontrado espaço para apenas mais uma porta USB-C, porque ainda que a inclusão de um slot de cartão microSD seja legal, tem só duas portas USB-C (que suportam Thunderbolt 3) ainda não parece ser o ideal. Nada é realmente perfeito, certo?

O novo XPS 13 começa em US$ 1.000 (R$ 4.000, na cotação atual) e será vendido na gringa a partir do dia 7 de janeiro. Para quem prefere que seu notebook rode Linux em vez de Windows, a marca venderá uma edição para desenvolvedores com Ubuntu 18.04LTS pré-instalado a partir do dia 4 de fevereiro, por US$ 1.200 (R$ 4.800).

A Dell ainda não revelou data e preços para o Brasil – via assessoria de imprensa, disse apenas que deve chegar no “primeiro semestre deste ano”. O modelo do ano passado começou a ser vendido no Brasil poucos dias depois do lançamento internacional, custando a partir de R$ 10.448, com processador i7. Levando isso em consideração, o cenário não deve mudar muito para 2020.