A vida selvagem que depende de florestas tropicais pode estar com mais problemas do que pensávamos. Um novo estudo descobriu que as espécies de florestas tropicais são seis vezes mais sensíveis à fragmentação florestal do que as espécies em ecossistemas temperados.

A pesquisa publicada na Science na semana passada mergulha profundamente no tópico da fragmentação florestal, que ocorre quando vastas áreas florestais são cortadas em áreas menores devido ao desmatamento, agricultura ou incêndios. A fragmentação da floresta é ruim para todos nós, mas especialmente para as espécies que a habitam e outras florestas tropicais também em risco.



Isso se deve a várias razões: menos terreno para os animais chamarem de lar, maior vulnerabilidade a predadores e os efeitos em cascata em todo o ecossistema. No entanto, algumas espécies lidam melhor com a cobertura reduzida de árvores e o aumento do habitat nas margens da floresta – e isso é em grande parte as que tiveram a chance de praticar. Os resultados têm implicações enormes para a conservação daqui para frente.

“Essas [descobertas] realmente enfatizam a importância de conservar o habitat nessas áreas e, em particular, conservar grandes blocos ou grandes áreas de habitat contínuas que ajudarão a evitar que a fragmentação tenha efeitos negativos sobre as espécies”, disse ao Gizmodo o autor do estudo Christopher Wolf, associado de pesquisa no Departamento de Ecossistemas Florestais e Sociedade da Universidade Estadual do Oregon.

Os autores – de universidades e instituições de todo o mundo – usaram 73 conjuntos de dados para analisar 4.489 espécies de animais, incluindo aves, répteis, artrópodes e mamíferos.

Esse carinha – um urso-do-sol, encontrado no Bornéu da Malásia – está ameaçado por essa fragmentação. Foto: Matt Betts

Esses conjuntos de dados incluem pontos geográficos em paisagens específicas ao redor do planeta e que espécies de animais os cientistas registraram ali, bem como sua abundância. A partir daí, a equipe de pesquisadores categorizou essas espécies por habitats específicos. Algumas preferiram florestas com cobertura de árvores pesadas longe da fronteira da floresta. Outros foram encontrados ao longo da borda. E havia aqueles animais que parecem criar um lar em qualquer lugar da floresta.

Os animais que evitam as margens das florestas são os mais sensíveis a esse tipo de fragmentação. Se os cientistas não os encontrarem aqui, é provável que não consigam ter sucesso nesse habitat. Mais da metade das espécies que vivem em regiões de baixa perturbação (que geralmente são florestas tropicais) evitam zonas periféricas. Nas regiões de alta perturbação (que geralmente são florestas temperadas), essa porcentagem cai para cerca de 18%.

A pesquisa sugere que a razão das diferenças é resultado da destruição natural que precedeu o ataque da humanidade às florestas. Milhares de anos antes de os humanos destrutivos surgirem para atear fogo e cortarem tudo o que vêem pela frente, muitos ecossistemas ainda sofreram grandes perturbações na forma de incêndios, glaciações e furacões. As florestas temperadas em latitudes mais altas tendem a ser perturbadas mais regularmente, e os pesquisadores argumentam  que esses locais têm menos espécies sensíveis e mais resilientes como resultado.

Quanto às florestas tropicais? Em geral, eles não viram esse nível de mudança ao longo da história ter a vantagem evolutiva na era moderna, onde os seres humanos são a causa do desmatamento em massa, o que é uma pena, dado que o desmatamento simplesmente não desaparece nas regiões tropicais. Essas descobertas também são particularmente preocupantes porque as florestas tropicais abrigam pelo menos dois terços da biodiversidade mundial. Pense na Amazônia, por exemplo. Anos de desmatamento (que dispararam este ano) a fragmentaram tanto que os cientistas preveem que ela poderia se tornar essencialmente duas florestas separadas dentro de algumas décadas.

Mas as novas descobertas confirmam que essas espécies em florestas tropicais em todo o mundo estão em risco. E esses padrões se mostraram bastante consistentes entre os grupos taxonômicos. Em outras palavras, pássaros, répteis e mamíferos nas florestas tropicais estão igualmente em risco. O leopardo nebuloso da floresta de Bornéu, em Sunda, está ameaçado. Assim como o tinamou da América Central e do Sul, um pequeno pássaro cinza corcunda e fofinho. Todo ecossistema requer atenção local especial para descobrir como proteger adequadamente os animais que o chamam de lar, mas essas descobertas reforçam a necessidade de preservarmos as florestas tropicais se quisermos conservar a biodiversidade.

Dada a quantidade de dados que os pesquisadores analisaram, há sempre uma chance de eles categorizarem incorretamente um animal, disse Wolf. E os dados que eles receberam podem conter algum viés, dependendo de onde os pontos de dados estão localizados em um cenário, mas isso é algo que os pesquisadores controlaram em seus modelos. Eles estão confiantes em seus resultados. E considerando a maneira como as florestas tropicais vêm sido tratadas nas últimas décadas, isso deveria assustar a todos nós.