Apenas as câmeras DSLR mais caras usam sensores full frame – ou seja, a parte da câmera que captura imagens tem quase o mesmo tamanho que filme fotográfico de 35mm. Enquanto isso, a maioria das DSLRs, como a Nikon D7000 ou a Canon T2i, usam sensores menores. Este vídeo explica o que isto significa.

Mike Collins compara uma Canon 5D Mark II, que tem sensor full frame, e uma 7D, que tem o sensor menor APS-C. Usando várias lentes, o vídeo ilustra como o fator de multiplicação da distância focal afeta as fotos – mais fácil que explicar com palavras.

Mas se ainda assim você quiser palavras, lá vai: como se pode ver no vídeo, se colocarmos duas câmeras à mesma distância do objeto fotografado, a câmera com sensor maior terá um campo de visão maior. Ou seja, é como se a câmera com sensor menor “cortasse” a imagem. A imagem abaixo, da Wikipédia, ajuda a ilustrar isso:

O retângulo maior é o que vê a câmera com sensor full-frame, e serve de referência. O retângulo menor é o que o sensor menor APS-C vê. Divida a diagonal do retângulo maior pela diagonal do retângulo menor, e você obtém o tal “fator de multiplicação da distância focal”.

Com ele, você tem uma ideia de como o sensor afeta a imagem. No caso, o sensor APS-C tem fator 1,6 – ou seja, é como se a distância focal fosse 1,6 vezes maior por causa do sensor menor. Este número ajuda fotógrafos a trabalhar com sensores que não são full frame. [Vimeo via Planet5D via Petapixel via #tips]

Vídeo: