“Frozen: Uma Aventura Congelante” (2013) foi elogiado pela crítica especializada e fez sucesso com o público na época do lançamento, por priorizar a irmandade. Por outro lado, tal elogio deixou o co-diretor de “Lilo & Stitch” (2002), Chris Sanders, um pouco irritado. O cineasta disse ao The New York Times que ficou “um pouco frustrado” com a recepção calorosa que a animação recebeu. 

Para o diretor, “Lilo & Stitch” foi pioneiro em mostrar uma relação não-romântica entre duas irmãs, mas os créditos acabaram indo para a animação de Elsa e Anna, lançada 11 anos depois.

“Para ser claro: eu acho que Frozen é ótimo. Mas foi um pouco frustrante para mim, porque as pessoas assistiram e disseram: ‘Ah, finalmente um filme da Disney que  foca em um relacionamento não-romântico entre duas mulheres’. E eu pensei: nós fizemos isso! Isso absolutamente já foi feito antes”, comentou.

“Quando ‘Lilo & Stitch’ saiu, em 2002, era sobre a relação delas que muitos críticos falavam. Os momentos entre Lilo e Nani eram baseados na realidade, de uma forma que o público pudesse se ver neles, ao invés de sentir que estava assistindo a mais um personagem de desenho”, defendeu o diretor. Para Sanders, o foco na irmandade antecede “Frozen” em mais de uma década. O co-diretor declara, por fim, que deseja que o filme seja reconhecido por centralizar um não-romance.

Para quem não se lembra, em “Lilo & Stitch”  a jovem Lilo, é criada pela irmã Nani após a morte dos pais. Quando a nave de um alienígena chamado Stitch cai perto da casa das duas, elas precisam resolver como lidar com esse incomum animal de estimação. 

O filme foca na amizade entre uma jovem havaiana e uma criatura azul extraterrestre parecida com um coala. Além disso, o longa aborda os desafios da irmã mais velha, Nani. Não há amor romântico em “Lilo & Stitch”, apenas o vínculo que se desenvolve entre dois novos amigos e o amor que existe entre irmãs.

Lançada em 2002, a animação “Lilo & Stitch”, que celebra 20 anos em 2022, teve uma recepção positiva da crítica, atingindo 86% de aprovação no Rotten Tomatoes. O longa foi um sucesso de bilheteria, arrecadando mais de US$ 273 milhões ao redor do mundo, e rendeu três continuações direto para vídeo, além de uma série de TV da Disney. Um remake em live-action também está sendo produzido e terá a direção de Jon M. Chu, do longa “Podres de Ricos”.

Já “Frozen: Uma Aventura Congelante”, lançado em 2013, tornou-se um grande fenômeno pop e recebeu elogios pela forma como rejeitou os padrões românticos das animações da Disney, colocando no centro da trama a relação entre as irmãs Anna e Elsa, e não a conexão delas com um homem.

O lançamento de Frozen foi amplamente celebrado por rejeitar os padrões românticos do conto de fadas animado da Disney. Não havia príncipe salvando o dia ou “primeiro beijo de amor verdadeiro” entre um homem e uma mulher, mas sim, o relacionamento entre as irmãs Anna e Elsa.

“Frozen: Uma Aventura Congelante”, assim como “Lilo & Stitch”, estão disponíveis no Disney+.