Por anos temos dito que colocar uma pulseira fitness no seu pulso é uma boa maneira de acompanhar sua atividade física e seu nível de saúde. Mas pesquisadores do Laboratório de Ciências da Computação e Inteligência Artificial do MIT inventaram um dispositivo não-invasivo e não-vestível que faz a mesma coisa – e de forma mais precisa –, utilizando sinais sem fio invisíveis.

• Monitores de atividades físicas podem dificultar emagrecimento
• A Fitbit finalmente fez um monitor cardíaco bonito

O time desenvolveu um novo dispositivo chamado WiGait, que se parece um roteador Wi-Fi sem antena montado numa parede. Ele possui um sinal sem fio de baixa energia, que emite cerca de um centésimo da quantidade de radiação eletromagnética emitida por um smartphone, e analisa como esse sinal é devolvido pelo corpo de uma pessoa enquanto elas caminham a uma determinada velocidade.

Um dispositivo fitness vestível consegue apenas cruamente estimar a velocidade que alguém está andando ao contar seus passos. As pulseiras mais avançadas com GPS embutidos não funcionam em ambientes fechados, onde os sinais são bloqueados. Utilizando sinais wireless, os pesquisadores do MIT afirmam que o WiGait consegue medir a velocidade e o tamanho da passada de alguém com precisão em 85% do tempo. Ele também consegue monitorar múltiplas pessoas ao mesmo tempo. Detalhes sobre o novo dispositivo podem ser encontrados neste artigo.

Recentemente, tem se dado mais credibilidade à ideia de que a forma como uma pessoa caminha pode se utilizada como um indicador sólido de sua saúde. E condições como Parkinson, esclerose múltipla e até mesmo Alzheimer com frequência resultam em sintomas que podem ser identificados no modo de andar de alguém.

Os sensores do WiGait poderiam ser instalados em casas, casas de cuidado de longo termo e até enfermarias, usados para monitorar como pacientes idosos estão se movendo e como mudaram ao longo do tempo, revelando quanto uma condição progrediu. Mas também pode revelar quando um sintoma de um paciente melhorou, graças à mudança no medicamento ou a uma nova rotina de exercícios físicos.

O WiGait não exige a utilização de dispositivos vestíveis que precisam ser recarregados todas as noites, ou sincronizados a um dispositivo móvel. Ele também é não-intrusivo – em teoria,você poderia apenas grudar um desses na parede da sua casa e esquecer que ele está lá, monitorando cada movimento seu. Ele substituiria um dispositivo fitness que se veste para praticar exercícios ao ar livre? Ainda não. Mas existem poucos lugares no mundo que não estão cheios de smartphones e outros sinais sem fio que, talvez, um dia permitirão a existência de um WiGait gigante que monitora os movimentos de todos em uma determinada área.

Pensando bem, talvez essa não seja uma boa ideia. Afinal, já somos monitorados o tempo todo.

[MIT News]