Para muitos relógios elétricos na Europa, o tempo tem estado um tanto quanto atrasado desde o meio de janeiro. A agência que representa a rede elétrica síncrona recentemente esclareceu a confusão para pessoas que, do nada, começaram a se ver atrasadas para seus compromissos. E colocou a culpa em uma disputa atual entre Kosovo e Sérvia.

• Um relógio inspirado nas réguas de cálculo para quem gosta de matemática e de antiguidades
• Cientistas constroem o relógio mais preciso do mundo para entender nosso universo maluco

No sábado (3), a Rede Europeia de Operadores de Sistema de Transmissão de Eletricidade (ENTSOE, na sigla em inglês) reconheceu pela primeira vez que o Sistema de Energia Europeu Continental vinha passando por desvios de energia significativos e contínuos por causa de uma falta de fornecimento de um operador de sistema de transmissão.

A rede elétrica fornece energia para 25 países e abrange quase toda a União Europeia. O comunicado dizia que os relógios elétricos estavam atualmente atrasados em cinco minutos, mas não deu mais explicações sobre o que estava acontecendo. Relógios que aparecem em microondas, fornos e outros aparelhos elétricos estavam sendo afetados.

Maioria dos relógios modernos usa um cristal de quartzo que vibra em uma certa frequência quando a eletricidade passa por ele para acompanhar a hora. Mas alguns relógios digitais dependem da frequência de uma rede elétrica os abastecendo. Relógios ligados ao Sistema de Energia Europeu Continental esperam uma frequência média de 50 Hertz, e você pode vê-lo mudar em tempo real. Na terça-feira (6), a ENTSOE explicou um pouco mais sobre por que a média estava bagunçada.

Conforme noticia a Reuters:

A ENTSO-E disse que a frequência da rede europeia havia desviado de seu padrão de 50 Hertz (Hz) para 49,996 Hz desde a metade de janeiro, resultando em uma perda de energia de 113 gigawatt-horas (GWh), embora pareça estar voltando ao normal na terça-feira.

“O desvio parou ontem, depois de o Kosovo tomar algumas medidas, mas vai levar um tempo para fazer o sistema voltar ao normal”, disse a porta-voz da ENTSO-E Susanne Nies, em entrevista à Reuters. Ela disse que o risco poderia seguir se não houver solução política para o problema.

A disputa política gira principalmente em torno de problemas regulatórios e de uma contenda entre Sérvia e Kosovo por causa da operação da rede. Isso é complicado ainda mais pelo fato de que Belgrado ainda não reconhece oficialmente o Kosovo.

Em 2015, os dois países assinaram um acordo para operar em conjunto sua rede elétrica, mas ele nunca foi implementado, por causa de uma disputa em torno da propriedade da rede. A ENTSOE convocou legisladores na União Europeia para “resolver o lado político desse problema”, mas não ofereceu sugestões para uma resolução.

Na quinta-feira (8), a agência disse que os desvios de frequência pararam e que estava formulando um plano para devolver a energia desperdiçada. Mas sem uma solução política, “o risco de desvio poderia continuar”.

Enquanto isso, os cidadãos europeus podem atualizar manualmente seus relógios. E talvez considerar arranjar um que não esteja ligado à rede elétrica.

[ENTSOE, ENTSOE]