O último eclipse solar da década — e o único eclipse solar anular do ano — será visível na Europa, Ásia, Austrália e África, começando algumas horas após a publicação deste post, na noite desta quarta-feira (25).

Eclipses solares anulares, como os eclipses totais, ocorrem quando a Lua passa em frente ao Sol. No entanto, a Lua não é totalmente coberta pelo Sol durante eclipses solares anulares, deixando para trás uma coroa circular, ou um anel brilhante.

O eclipse parcial ficará visível no Oceano Índico e no Sul da Ásia em 26 de dezembro por volta das 02:29:53 UTC, ou 25 de dezembro às 23:29:53 (horário de Brasília), segundo o TimeAndDate.com. O eclipse máximo se tornará visível na península arábica após o nascer do Sol, em 26 de dezembro, às 03:34:33 UTC (26 de dezembro, 00:34:33 no horário de Brasília). O caminho do eclipse passará pelo Oceano Índico, sul da Índia, Sri Lanka, Indonésia e Filipinas.

Se você não tiver o que fazer hoje à noite, assista à transmissão ao vivo do Slooh abaixo, que começará por volta das 23:30 (horário de Brasília) desta quarta.

Os eclipses ocorrem porque a órbita da Lua em torno da Terra é inclinada em relação ao plano elíptico, o plano da órbita da Terra em torno do Sol. A Lua parecerá passar na frente do Sol se a nova fase da Lua, quando a Lua estiver no lado do dia da Terra, ocorrer por volta do momento em que a Lua cruza o plano eclíptico.

Durante eclipses solares totais, a Lua cobre completamente o Sol, deixando para trás apenas o brilho da atmosfera solar, ou coroa. Mas eclipses solares anulares, quando a Lua não consegue cobrir completamente o Sol, ocorrem porque as distâncias entre os objetos celestes mudam devido à excentricidade das suas órbitas.

Em sua região mais próxima, ou periélio, a órbita da Terra leva aproximadamente 146 milhões de km do Sol em janeiro. O Sol parece maior no céu durante o periélio. No ponto mais distante, ou afélio, a Terra fica a cerca de 152 milhões de km do Sol, e o Sol parece menor no céu.

Enquanto isso, a Lua varia de 362 mil km de distância no ponto mais próximo, ou perigeu, a 405 mil km no ponto mais distante, ou apogeu.

O EarthSky.org relata que durante o eclipse anular deste ano, a Lua estará aproximadamente a sua distância média da Terra, enquanto o Sol estará próximo do mais próximo. Uma lua de aparência média não é suficiente para cobrir totalmente um Sol especialmente grande.

Este eclipse é o único eclipse anular do ano, embora um eclipse solar total tenha ocorrido em 2 de julho de 2019, que pode ser visto pela América do Sul, incluindo um dos observatórios dos EUA no Chile. Outro eclipse anular ocorrerá em 21 de junho de 2020 e também será visível principalmente no hemisfério oriental, portanto será visível apenas na Europa, África, Ásia e Austrália.