O astrofísico Jorge Meléndez, junto à sua equipe da Universidade de São Paulo, pode ter encontrado planetas fora do sistema solar. Se comprovados, eles serão os primeiros planetas descobertos por uma equipe brasileira.

Segundo a Folha, a equipe descobriu sinais de dois planetas: um semelhante a Saturno, porém muito próximo de sua estrela; e outro similar a Júpiter.

Para descobrir planetas ao redor de uma estrela, usa-se o método conhecido por “velocidade radial”. Basicamente, ela mede o efeito gravitacional exercido por um planeta quando ele passa muito perto da estrela: quanto maior for o planeta, maior a oscilação que ele causa na estrela.

E a luz emitida pela estrela reflete essa oscilação: a luz tende mais ao vermelho se a estrela se afasta do observador; caso ela se aproxime, a luz tende mais ao azul. Assim, astrônomos conseguem notar perturbações causadas na estrela: com esta técnica, foram descobertos quase 700 exoplanetas nos últimos vinte anos.

Ainda há poucos detalhes sobre a descoberta, pois ela ainda não é conclusiva: o estudo usará observações astronômicas feitas ao longo de cinco anos, de 2011 a 2015, para confirmar se encontramos mesmo novos exoplanetas.

As observações são feitas no telescópio do Observatório Europeu do Sul, no Chile. Foi com ele que, na semana passada, astrônomos descobriram um planeta semelhante à Terra no sistema estelar mais próximo.

Mais exoplanetas

Além disso, Meléndez testa uma nova teoria que, se provada, permitirá encontrar ainda mais planetas fora do Sistema Solar.

Segundo a teoria, é possível encontrar sinais de exoplanetas analisando a composição química de estrelas, mais fáceis de se observar. Segundo Meléndez, o Sol tem menos elementos formadores de planetas – como alumínio, cálcio e silício – do que estrelas semelhantes. É possível que haja uma correlação direta entre a composição química da estrela, e a existência de planetas ao seu redor.

Em junho, Meléndez descobriu a a HIP 56948, uma estrela que é quase uma gêmea idêntica do nosso Sol: a massa, a temperatura, o raio, o brilho – e, em especial, a composição química – são muito semelhantes. Será que ela abriga planetas como a Terra? Por enquanto, astrônomos não descobriram planetas ao redor – mas planetas rochosos, como a Terra, não seriam identificados com a técnica usada.

Há 70 gêmeas solares que poderiam abrigar planetas. A equipe brasileira pode ter descoberto dois, e continuará procurando nos próximos anos. [Folha, ScienceNews, Revista Fapesp]

Imagem por sdecoret/Shutterstock