Quando a água cai em uma superfície de vidro, ela geralmente se espalha. Mas quando água com o composto orgânico Propilenoglicol cai sobre o vidro, ela ganha “vida”.

ska3nqf2waoyspuspzwf

Cientistas da Universidade de Stanford ficaram perplexos com o estranho comportamento de gotículas de água com corantes alimentícios — que contém propilenoglicol em sua formação — no vidro. Quando duas gotas da mesma concentração de propilenoglicol são postas próximas uma da outra, elas se aderem. Entretanto, testando a mesma situação com gotas de diferentes concentrações de propilenoglicol, elas se aproximam, mas nunca se juntam. Alguns casos até mostram algumas gotas seguindo outras. O que está acontecendo?!

Para descobrir, pesquisadores inseriram pequeninos objetos que conseguem traçar trajetórias dentro das gotículas. Eles então descobriram que o líquido dentro das gotas corria de forma organizada, o que poderia ser explicado pela evaporação da água — o mais volátil ds dois líquidos. Conforme cada gotícula evapora, ela produz uma pequena esfera de umidade. Essa bolha de umidade pode, de certa forma, atrapalhar o processo de evaporação de bolhas vizinhas, fazendo com que elas se atraiam e dancem sobre o vidro.

De acordo com o Ars Technica:

Quando duas gotículas estão próximas, elas ficam dentro do gradiente de umidade de cada uma, permitindo que uma influencie no comportamento da outra. Porque a evaporação da água diminui em ambiente úmidos, ficar próxima do gradiente de evaporação de outra gota atrapalha a simetria do processo de evaporação. Como resultado, as gotículas acabam de movendo uma em direção da outra.

No caso de gotículas “seguindo” outras, os cientistas demonstraram que, no momento da colisão, elas trocam líquidos, resultando em uma diferença na tensão superficial das duas gotículas. Eles acreditam que essa diferença na tensão superficial é o que causa a gotícula com tensão superficial menor a seguir a com tensão maior, que, por sua vez, se distancia.

Eu só quero saber por que não fizemos esse tipo de experimento nas aulas de química. [Ars Technica]