Depois que o download pelo Steam e a instalação do The Elder Scrolls V: Skyrim terminaram, o jogo determinou que a melhor configuração gráfica para o meu laptop gamer MSI GT683DXR-423US era “Ultra High”. Eu fiquei satisfeito.

É claro que eu não precisei gastar uns mil e quinhentos dólares para jogar o último lançamento da Bethesda nesta belezinha, já que ela me foi enviada pela empresa para avaliação e terá que ser devolvida assim que eu terminar de escrever este review, apesar do fato de eu ter lambido a sua superfície em diversas ocasiões. Muitas, muitas ocasiões.

Mas para você, que teria que escancarar a carteira para levar para casa este Core i7 2 GHz com tela Full HD de 15,6″, 12GB de RAM DDR3 e nVidia GeForce GTX 570M, a verdadeira pergunta é: quais partes eu gostei de lamber, e quais me deixaram com um gosto ruim na boca?

Características do GT683DXR-423US:
• Processador Intel® Core™ i7-2630QM
• Genuine Windows® 7 Home Premium 64bit
• Tela 15,6″ Full HD (16:9; 1920 x 1080)
• Placa gráfica dedicada NVIDIA® GeForce® GTX 570M (DDR5 1.5GB VRAM)
• Desempenho acelerado com MSI TDE Technology
• Tecnologia MSI Cooler Boost
• Speakers Dynaudio Premium
• Software THX TruStudio PRO™ oferece excelente efeito surround
• Disco rígido de 1TB em Raid 0
• Memória de sistema 12GB DDR3
• USB 3.0 para transferência de dados em alta velocidade
• Saída HDMI 1.4 (High-Definition Multimedia Interface)
• Webcam HD 720p
• Wi-Fi 802.11 b/g/n com Bluetooth

Primeiro nós temos o gosto encorpado da construção parruda do GT683DXR-423US. Apesar dele não ser enorme com seus 38x26cm, seus 5cm de altura e 3,5kg asseguram que ele seja o tipo de laptop que passa bastante tempo na minha mesa e muito pouco tempo demonstrando a sua portabilidade. Eu poderia ter levado esta máquina comigo para a BlizzCon há algumas semanas, mas acabei escolhendo levar o horrendo laptop da Asus que eu havia adquirido um tempo antes. Em parte pelo um quilo a menos que ele pesa — em outra parte pelo medo de ter uma turba de fãs da Blizzard vendo meu MSI como possível loot.

Apesar deste MSI ser um laptop um tanto mais grosso e encorpado do que os outros com os quais eu estou acostumado a lidar, isso o torna incrivelmente resistente e parrudo, um computador no qual eu provavelmente poderia sentar em cima sem danificar. Provavelmente. Eu não vou tentar.

O acabamento externo da máquina é preto e brilhante, lembrando bastante o primeiro PSP, tanto em termos de brilho quanto de fator de atração para pó e impressões digitais. Para deixar ainda mais claro que ele não é uma estação portátil de Microsoft Office, o computador vem salpicado com tiras de LED laranja nas laterais, topo e na frente. Todas elas podem ser desligadas quando você quiser parecer mais estudioso quando estiver “upando” seu Khajiit no Starbucks.

O design da máquina é bem bacana, mas eu preferiria que a superfície brilhante fosse feita com o mesmo material estilo fibra de carbono que cobre os descansos de pulso e o touchpad. Isso provavelmente atrairia menos impressões digitais e mais olhares de admiração.

E já que estamos falando de coisas brilhantes, a tela LCD Full HD de 15 polegadas é polida e linda como o vidro de uma prateleira de doces recém-limpa, adicionando um ar vibrante para qualquer coisa exibida nela. Algumas pessoas preferem um display mais contido, como os dos monitores tradicionais, mas eu prefiro uma tela “glossy” e refletiva nos meus laptops de games. Eu tenho certeza que isso me incomodaria se eu fosse o tipo de pessoa que pratica headshots do Battlefield 3 sentado em um banco de praça em uma tarde ensolarada, mas eu não sei mais o que é uma praça há muito tempo, e sobre o sol eu só me lembro que o They Might Be Giants me contou que é uma massa de gás incandescente.

A propósito, o They Might Be Giants soa espetacularmente bem nos speakers premium Dynaudio, especialmente depois de alguma configuração no aplicativo THX TruStudio PRO, que vem incluído. Quando uso um laptop gamer em público eu geralmente prefiro fones de ouvido, mas quando estou sozinho em casa ou com vontade de ser um pouco mais inconveniente do que de costume, eu prefiro algo mais poderoso do que o som normal de um laptop. E essas belezinhas sonoras são exatamente isso.

O MSI GT683DXR-423US se virou com todo e qualquer jogo que eu testei nele, e pediu por mais. Além do já citado Skyrim, nem Battlefield 3 nem The Witcher 2: Assassins of Kings precisaram rodar abaixo das opções gráficas mais extremas. A combinação do processador Intel Core i7 2630QM com os 12GB de memória DDR3 e o 1,5GB de VRAM DDR5 dedicado à placa gráfica GeForce GTX 570M assegurou que não houvesse nada com o que esse bebê não conseguisse lidar. Enquanto instrumento projetado para rodar jogos de computador, ele é um triunfo.

De fato, a única característica desse computador que não merece um banho de língua é touchpad. Eu sei que nenhuma empresa em toda a história dos laptops de games conseguiu fazer um dispositivo de navegação tão respeitável quanto o mais básico dos mouses, mas o touchpad do MSI é um exemplo abismal do que os gringos chamam de “compromise” — abrir mão de uma coisa para ter mais de, ou uma maior qualidade em, outra(s). Ele tem tendências a tremedeiras e não é muito prazeroso ao toque, mas ainda assim a pior característica desse touchpad é o seu botão único, que é montado ao estilo “teeter-totter”: quanto mais próximo ao centro do botão, mais duro ele é, e maior a chance do seu clique não registrar. Eu abomino esse estilo de construção.

Mesmo somando o preço de um mouse decente, o preço sugerido de US$ 1.650 do MSI GT683DXR-423US (dá para encontrar por menos) ainda é relativamente baixo em comparação à maioria dos concorrentes similares. Ele pode não ter a maior tela ou os penduricalhos 3D que os outros fabricantes estão empurrando atualmente, mas, com o seu poder e preço, tem um forte gosto de alegria gamer que vai durar muito, muito tempo na sua boca.