Você está testemunhando um momento histórico: Esta é a primeira imagem que foi feita a partir da órbita de Mercúrio.  Ela foi tirada pela Messenger da NASA, a primeira nave espacial feita por humanos a orbitar esse inferno escaldante.

A fotografia – que foi tirada ontem, 29 de março de 2011 às 6:20 da manhã no horário de Brasília – mostra a superfície do planeta  mais próximo do sol de nosso sistema solar com detalhes sem precedentes. A Messenger – MErcury Surface, Space ENvironment, GEochemistry and Ranging – irá começar agora a mapear e estudar o planeta em detalhes, seguindo o trabalho da Mariner 10 — a primeira sonda espacial que conseguiu imagens de Mercúrio enquanto voava, em 1975. A Messenger, entretanto, irá orbitar o planeta adquirindo toneladas de informação sobre sua composição, história geológica e campo magnético.

Mistérios a serem revelados

A Messenger também foi projetada para investigar algumas das características mais estranhas de Mercúrio. Primeiro, ela irá ajudar os cientistas a descobrirem qual é a natureza do material que reflete sinal dos radares em ambos os seus polos – se tem crateras permanentemente escuras e contém gelo durante o ano inteiro em um planeta que tem temperaturas de 426ºC em seu ponto mais quente. Ela também irá estudar seu núcleo líquido, que tem a maior concentração de ferro em nosso sistema solar e faz o planeta ter seu próprio campo magnético, assim como o planeta Terra.

Mas ainda mais importante, a Messenger irá estudar uma das mais chocantes descobertas na história da astronomia: a grande quantidade de água encontrada em sua exosfera, que foi detectada em julho quando a espaçonave passava por lá. Como Thomas Zurbuchen da NASA disse naquela ocasião: “Ninguém esperava por isso. Eu não conheço uma única pessoa que pensasse assim. Nós ficamos surpresos, realmente surpresos.”

O hardware

Messenger da NASA é uma nave espacial realmente única. Por estar tão próxima do sol, ela conta com um escudo único que protege seus instrumentos das temperaturas ardentes. A nave é feita de fibra de grafite e éster de cianeto, um material que tem longa durabilidade para estabilidade térmica. Dentro, um computador com dois processadores IBM RAD6000 resistentes à radiação controlam os instrumentos e aviônicos da espaçonave. O processador principal, que roda a 25MHz contra os 10MHz do processador de backup, é responsável por colher todos os dados, comprimir e mandar para a terra usando suas três antenas. Tudo é alimentado por dois painéis solares que fornecem 450 watts quando estão em órbita.

A NASA irá publicar mais imagens e detalhes das primeiras descobertas ainda hoje, então fique ligado para saber um pouco mais.