Membros da tripulação a bordo da Estação Espacial Internacional estão lidando com um gerador de fornecimento de oxigênio com defeito localizado dentro de um módulo russo. Felizmente, os astronautas e cosmonautas não estão em perigo, mas esta já é a segunda falha recente envolvendo um componente russo, o que pode ser motivo de preocupação.

Segundo a AFP, o sistema de fornecimento de oxigênio com defeito está localizado dentro do módulo russo Zvezda e apagou na noite da última quarta-feira (14). Parece assustador, mas um segundo sistema de fornecimento de oxigênio localizado no lado dos Estados Unidos está funcionando normalmente e fornecendo ar respirável para a tripulação. Além disso, suprimentos extras de oxigênio são armazenados na ISS como uma precaução adicional.

O sistema falhou no mesmo dia em que a astronauta Kate Rubins da NASA e os cosmonautas Sergey Ryzhikov e Sergey Kud-Sverchkov chegaram ao posto avançado em órbita, juntando-se aos tripulantes Chris Cassidy, Anatoly Ivanishin e Ivan Vagner. Não está claro se a falha de oxigênio teve algo a ver com sua chegada, embora isso pareça improvável.

Também não está claro se o erro no sistema de geração de oxigênio da Rússia tem algo a ver com um vazamento de ar não resolvido. A última palavra é que a Roscosmos finalmente rastreou a origem do vazamento, que está em algum lugar no módulo Zvezda, e os engenheiros da missão estão atualmente preparando instruções para reparos. O vazamento de ar está ativo desde o ano passado e não é considerado um risco para a tripulação.

Em relação à falha no sistema de geração de oxigênio, um porta-voz da Roscosmos disse à AFP que “nada” atualmente ameaça a tripulação e que os reparos no sistema devem acontecer em breve.

A agência de notícias estatal russa RIA Novosti informou que o sistema com falha é um Electron-VM OGS. A RIA Novosti citou o veterano cosmonauta russo Gennady Padalka, que disse que “todos os módulos do segmento russo estão esgotados”, observando que eles dependem de equipamentos vencidos que precisam ser substituídos.

O lado estadunidense está equipado com um sistema de geração de oxigênio capaz de suportar a atual tripulação de seis pessoas. Faz parte de uma rede integrada, denominada Sistema de Controle Ambiental e Suporte à Vida (ECLSS, na sigla em inglês), que também inclui recuperação de água e revitalização do ar. De acordo com um informativo da NASA, o sistema “produz oxigênio para respirar ar, bem como substitui o oxigênio perdido como resultado do uso de experimentos, despressurização da eclusa de ar, vazamento de módulo e ventilação de dióxido de carbono”. O oxigênio é gerado usando eletrólise para separar o oxigênio do hidrogênio. O ECLSS da NASA opera na ISS desde 2008.