Estes monstros incríveis com sete patas são na verdade sapos

Brandon Ballengée tirou essas belas imagens de “sapos terminalmente deformados encontrados na natureza” usando um processo de compensação de coloração. Ele, então, examinou os corpos com um scanner de alta resolução. Os resultados são fascinantes. O conceito de Bellengée é fascinante também: Esses relicários foram criados ao quimicamente “compensar e colorar” sapos deformados encontrados na […]

Brandon Ballengée tirou essas belas imagens de “sapos terminalmente deformados encontrados na natureza” usando um processo de compensação de coloração. Ele, então, examinou os corpos com um scanner de alta resolução. Os resultados são fascinantes.

O conceito de Bellengée é fascinante também:

Esses relicários foram criados ao quimicamente “compensar e colorar” sapos deformados encontrados na natureza. Esse processo esconde a representação direta – como não quero exibir imagens maiores dos “monstros”, que acho que seriam assustadores e exploradoras para os organismos. Esse processo foi seguido por fotografia em um scanner de alta resolução de cada espécime para criar retratos individuais. Esses retratos foram impressos como impressões de tinta de aquarela exclusivos (não foram feitas edições) e cada sapo individual foi centralizado para “flutuar” no que parecem ser nuvens. Essa qualidade sobrenatural é reforçada pelos títulos com nomes de personagens da mitologia greco-romana. Eles são dimensionados de modo que as rãs aparecem aproximadamente no mesmo tamanho de uma criança humana, em uma tentativa de invocar uma empatia do espectador, em vez do medo: se eles são muito pequenos serão ignorados, mas grandes demais serão monstruosos. Cada arte final é unica e não foi editada, para lembrar o animal individual e tornar-se um relicário a uma vida não-humana de curta duração.

Persófono

Ícaro

Tritão

Galateia

Morfeu


Confira o restante do trabalho aqui.

Sair da versão mobile