O aplicativo de vídeo viral TikTok vem enfrentando um escrutínio mais intenso depois que vários senadores alertaram sobre possíveis problemas de cibersegurança no mês passado, e a plataforma agora está sujeita a uma avaliação de segurança nacional.

De acordo com uma reportagem da Reuters publicada na sexta-feira, o Comitê de Investimentos Estrangeiros nos Estados Unidos está analisando a aquisição do aplicativo por sua controladora, a ByteDance, com sede em Pequim, em busca de possíveis ameaças à segurança nacional.

Em 2017, a ByteDance comprou o que se tornaria o TikTok, o aplicativo de karaokê Music.ly, em 2017 por US$ 1 bilhão, migrando eventualmente milhões de usuários para ajudar a alimentar a crescente popularidade do TikTok nos mercados ocidentais. Em todo o mundo, o TikTok possui aproximadamente 800 milhões de usuários ativos mensais e ultrapassou 1 bilhão de downloads no início deste ano.

Os detalhes da investigação federal permanecem incertos, embora seja provável que cubra por que a empresa não obteve autorização do CFIUS (Comitê de Investimentos Estrangeiros nos Estados Unidos) para esta compra, segundo a Reuters. Uma fonte anônima familiarizada com a investigação disse ao New York Times que as autoridades possuem evidências de que o TikTok envia dados à China, alegação que a empresa refutou repetidamente.

Em uma publicação em seu blog no mês passado, a TikTok afirmou que conta com data centers na América e Cingapura para armazenar dados de usuários nos EUA. Embora a ByteDance possa estar sediada em Pequim, a Tiktok não opera fora do país e, como tal, não está vinculada à lei chinesa. Seus usuários, conteúdo e dados também não estão conectados aos outros produtos da ByteDance na China, disse um porta-voz do TikTok ao Gizmodo na época.

O TikTok não respondeu imediatamente ao pedido de comentário do Gizmodo. Um porta-voz da ByteDance deu ao New York Times a seguinte declaração:

“Embora não possamos comentar sobre os processos regulatórios em andamento, o TikTok deixou claro que a maior prioridade é ganhar a confiança de usuários e reguladores nos EUA. Parte desse esforço inclui trabalhar com o Congresso, e estamos comprometidos em fazê-lo”.

Na semana passada, os senadores Chuck Schumer (D-NY) e Tom Cotton (R-AR) enviaram uma solicitação ao diretor interino de inteligência nacional Joseph Maguire para examinar o TikTok e avaliá-lo quanto a possíveis ameaças à cibersegurança. “Com mais de 110 milhões de downloads somente nos EUA, o TikTok é uma ameaça potencial de contrainteligência que não podemos ignorar”, escreveram eles. O senador Marco Rubio (R-FL) também levantou preocupações semelhantes recentemente e celebrou, no Twitter, as notícias sobre as ações do comitê na sexta-feira.

Tradução: No mês passado, eu pedi para o Departamento do Tesouro dos EUA conduzir uma avaliação CFIUS do TikTok. Porque qualquer plataforma que seja propriedade de uma companhia na China que coleta quantidades massivas de dados dos norte-americanos é uma potencial ameaça ao nosso país.

Parece que o TikTok está se preparando para ser o próximo campo de batalha entre os Estados Unidos e a China, o mais recente representante (junto com aqueles em uma lista negra cada vez maior de empresas) em sua luta para se destacar no mercado global de tecnologia.