Um cibercriminoso conhecido como “The Bull” foi detido por autoridades dos Estados Unidos por vender na Dark Web dezenas de informações privilegiadas sobre empresas de capital aberto. O usuário, que atualmente estaria preso no Peru, deve ser extraditado para os EUA nas próximas semanas.

Nos últimos dias, o Distrito Sul dos Estados Unidos de Nova York e o Escritório de Campo do FBI em Nova York revelaram uma acusação criminal e uma queixa contra o cidadão grego Apostolos Trovias, que usa o pseudônimo The Bull na Dark Web. Ele também utilizava o nome de usuário em mensagens criptografadas e serviços de e-mail.

Trovias é acusado de vender dicas de ações com base em informações comerciais confidenciais de clientes, relatórios de ganhos pré-lançamento e arquivos sobre negócios. O suspeito também é investigado por fraudar valores mobiliários e lavagem de dinheiro. Cada um desses crimes pode chegar a penas máximas de 20 a 25 anos de prisão.

De acordo com as autoridades de Nova York, Trovias vendia informações privilegiadas a indivíduos de várias maneiras. De 2016 a 2017, ele comercializou dicas sobre ações em um site da Dark Web conhecido como AlphaBay Market, conhecido como o maior mercado criminoso de produtos ilícitos na internet antes de ser definitivamente fechado.

No entanto, Trovias não se limitou a AlphaBay. Autoridades dizem que, entre 2017 e 2020, ele saiu da Dark Web e procurou diretamente consumidores, usando mensagens criptografadas e serviços de e-mail para se comunicar com os compradores. Uma de suas transações notáveis ​​incluiu um relatório de ganhos pré-lançamento de uma empresa de capital aberto, que ele vendeu por cerca de US$ 5 mil (R$ 25 mil na conversão direta) em Bitcoin.

The Bull então teria decidido expandir sua operação de negociação com informações privilegiadas, tomando medidas para projetar e construir um site para vender o que sabia. Segundo autoridades dos EUA, ele planejou cobrar taxas de filiação e comissões de pessoas que usaram as informações fornecidas pelo suspeito.

Assine a newsletter do Gizmodo

Em comunicado à imprensa sobre as acusações, William F. Sweeney Jr., diretor-assistente encarregado do escritório de campo do FBI em Nova York, advertiu que sua agência frequentava os mesmos lugares que Trovias. “O FBI opera dentro da Dark Web também. Não paramos de fazer cumprir a lei só porque você comete crimes federais atrás de um roteador com seu teclado”, alertou Sweeney.