Pesquisadores da Universidade do Texas, nos EUA, podem ter encontrado evidências do primeiro calendário maia utilizado na história. O estudo completo foi publicado nesta quarta-feira (13) na revista Science Advances.

Os arqueólogos estavam explorando a pirâmide de Las Pinturas, em San Bartolo, na Guatemala, quando encontraram fragmentos de gesso desenhados com a cabeça de um cervo e o número maia sete. A inscrição aponta para um calendário de 260 dias, bastante utilizado por povos da América Central no passado. Os pesquisadores dataram as peças em pelo menos 2.200 anos.

O gesso parece ter pertencido a um antigo mural que foi destruído. Era comum entre os maias construir templos modestos e depois subir estruturas consideravelmente maiores sobre eles. De acordo com os pesquisadores, a pirâmide guatemalteca pode ter chegado aos 30 metros de altura.

Em explorações passadas, arqueólogos já haviam encontrado murais intactos que retratavam aspectos da cultura maia. Parte deles data de cerca de 100 a.C.

Agora, os arqueólogos recolheram também outros 11 fragmentos que sugerem convenções artísticas e uma escrita madura por parte dos maias. Essas peças, assim como as evidências do calendário maia, parecem remeter às primeiras etapas de construção da pirâmide, entre 300 e 200 a.C.

Até então, a evidência mais antiga da marcação de datas por estes povos datava do primeiro século a.C.