Não basta ser a rede social oficial da auto-promoção. O Facebook agora que se transformar em sua ferramenta oficial de compra e venda de produtos com a chegada do Marketplace ao Brasil.

Facebook vai punir páginas que pedem para curtir, compartilhar ou marcar amigos
O Facebook decidiu lidar com fake news te perguntando quais sites são confiáveis

A ferramenta existe desde 2016, mas só chegou agora por aqui — o lançamento começou nesta segunda-feira (22) e aos poucos será liberado para os usuários locais. De acordo com o próprio Facebook, o Marketplace já está disponível em outros 47 países.

A grosso modo, ele funciona como outras plataformas do tipo disponíveis no mercado, como a OLX. O usuário cria um anúncio, tira foto do produto (que pode ser de um celular a um carro), publica na rede — o que fará ele aparecer na área do Marketplace — e pode receber propostas de compra.

Caso o comprador ache caro o item, é possível negociar com o vendedor via chat do Facebook Messenger.

O que pode ser interessante é que o Marketplace tem filtros por localização. Então, você pode facilmente comprar algo de alguém que mora perto de você, sem precisar se locomover ou pagar um frete alto para entrega.

No caso, o Facebook atua apenas como plataforma da operação — a rede não exige pagamento por ser o meio que “facilita” a operação, nem se mete com detalhes de entrega. Tudo deve ser acordado entre o comprador e o vendedor.

A entrada da maior rede social do mundo deve causar algum tipo de preocupação para concorrentes já estabelecidos localmente, como a OLX ou o Mercado Livre — ainda que a solução de comércio eletrônica seja mais complexa e tenha distintos modos de pagamento.

A vantagem do Facebook são seus milhares de usuários. Para acessar o marketplace, basta clicar no ícone do recurso (que parece uma espécie de banca de feira) e anunciar ou ver as ofertas dos usuários.

Para justificar a importância da nova funcionalidade, a rede cita que 550 milhões de pessoas visitam grupos de compra e venda no Facebook mensalmente. Logo, em tese, uma área específica para esse tipo de operação na rede pode atrair parte desse público. Resta saber o quanto que a ferramenta vai pegar por aqui.

Foto do topo por Pixabay