O escritório de Dallas do FBI confirmou ao Gizmodo, nesta sexta-feira, que efetuou uma prisão em um caso envolvendo o jornalista da Newsweek, Kurt Eichenwal, que alega que um homem enviou um GIF pelo Twitter que lhe causou epilepsia, levando-o a uma convulsão. Um porta-voz do FBI de Dallas disse ao Gizmodo que um comunicado de imprensa com mais detalhes sobre a prisão está a caminho e se negou a dar mais declarações.

• O FBI terá ainda mais poderes para invadir computadores
• Hackers conseguiram US$ 18 milhões com a venda de moedas digitais de FIFA, diz FBI

Antes de algum anúncio oficial ser feito, Eichenwald celebrou a prisão no Twitter:

“Após investigação de três meses, o FBI prendeu nesta manhã o homem que me atacou usando um estroboscópio no Twitter, que me causou uma convulsão. Ele agora enfrenta acusações federais e deve ser também indiciado pelo Procurador Distrital de Dallas por diferentes acusações nos próximos dias. Agora está nas mãos do FBI identificar informações sobre cada uma das pessoas que me enviaram o mesmo estroboscópio após saberem do ataque. Mais de 40 pessoas me enviaram quando descobriram que isso podia causar convulsões. Detalhes de seus casos estão com o FBI. Parem de mandá-los.”

Aqui está uma cópia do relatório policial inicial, obtido pelo repórter de projetos especiais do Gizmodo J.K. Trotter, via solicitação junto AO FOIA (equivalente norte-americano à nossa Lei de Acesso à Informação). Ele diz que Eichenwald “relatou ter recebido uma mensagem tweetada que continha uma imagem de um estroboscópio piscando. [Sentença expurgada.] [Eichenwald] teve uma convulsão como resultado deste estroboscópio.”

Em dezembro, quando a convulsão teria acontecido, uma pessoa alegando ser a esposa de Eichenwald enviou este tweet:

“@jew_goldstein Aqui é a esposa dele, você lhe causou uma convulsão. Eu tenho suas informações e liguei para a polícia para relatar o ataque.”

Anteriormente, Eichenwald e seus advogados se movimentaram para exigir no tribunal que o Twitter revelasse a identidade do usuário que suspostamente enviou a imagem. Mais tarde, Eichenwald retirou a ordem, alegando que o homem havia sido identificado por outros meios, não explicados.