É fácil se sentir pequeno e insignificante diante da grandiosidade do universo, até porque realmente somos. Ao mesmo tempo, como Carl Sagan uma vez nos lembrou, somos feito da mesma “poeira estelar” que o cosmos. Com bastante frequência, nos esquecemos do quão aleatório, ridículo e resplandecente é fazer parte da república estelar do universo. É por isso que a arte, especificamente filmes como Fistful of Stars, de Eliza McNitt, é importante – ela nos reconecta com a pequena e de alguma forma muito especial existência humana no cosmos.

• No fim das contas, somos mesmo feitos de poeira estelar
• Novo método pode revelar até os buracos negros mais evasivos de nossa galáxia

Fistful of Stars é uma experiência de realidade virtual com cinco minutos de duração que leva o espectador para um tour em meio à vasta região formadora de estrelas chamada Nebulosa de Órion. As imagens são assustadoramente lindas, acompanhadas pela trilha The Hubble Cantata – que inclui um conjunto de 30 peças, um coro de 100 pessoas e dois cantores da Metropolitan Opera –, que te dá a sensação do lendário filme 2001: Uma Odisseia no Espaço, mas sem a parte do robô assassino.

“É uma combinação de ciência e realismo mágico”, disse a diretora Eliza McNitt ao Gizmodo. “Queríamos dar aos espectadores um sentimento de como se eles fossem uma estrela flutuando nos ventos estelares por meio da Nebulosa de Órion. Isso poderia levar bilhões de anos, mas queríamos dar essa experiência dessa jornada espetacular em cinco minutos”.

Os humanos nunca se aventuraram na Nebulosa de Órion, porque ela está a aproximadamente 1.500 anos-luz de distância. Ao olhar pelo seu coração todo nebuloso, o telescópio Hubble encontrou um dos mais belos casos de nascimento de estrelas já capturados. Assim como o nome sugere, Fistful of Stars (Um Punhado de Estrelas, em tradução livre) captura de forma incrível a beleza dentro do nosso universo. Ainda não consigo decidir se esse filme é a cura ou a causa para uma crise existencial.

nebulosa-orionA Nebulosa de Órion. (Imagem: NASA)

“A Nebulosa de Órion é um lugar a milhares de anos-luz de distância onde nenhum humano esteve”, disse McNitt. “Fistful of Stars oferece uma experiência humana […] em que você se torna os olhos do telescópio humano.”

O filme teve sua premiere em março, durante o festival SXSW, e finalmente está disponível no canal da Vice no Samsung VR. Se você não tem um dispositivo de realidade virtual, ainda pode assistir o filme sem um headset, em um vídeo 360 disponível aqui.