Em breve, você poderá adicionar o YouTube à sua lista de sites a vasculhar em busca de filmes de graça. A empresa começou a adicionar filmes gratuitos, com anúncios, ao seu catálogo. Por enquanto, a opção não está disponível no Brasil.

• Nintendo Switch finalmente ganha um app para o YouTube

Um porta-voz do Google disse ao Gizmodo que a empresa adicionou a seção “free to watch” (“livre para assistir”) em outubro, embora os relatos sobre a funcionalidade tenham começado a pipocar na semana passada. A companhia se negou a dizer o quão frequentemente você verá anúncios enquanto assiste aos filmes, mas, como apontado pelo Verge, os comerciais dos anunciantes do YouTube “aparecem em intervalos regulares”.

A companhia também disse ao Gizmodo que os filmes eram cortesia de suas parcerias com grandes estúdios de Hollywood, e, sinceramente, a relação de coisas gratuitas para se ver parece bem boa! Alguns dos títulos mais notáveis incluem Igor, vários dos filmes do Rocky, O Exterminador do FuturoGalera do MalHackers – Piratas Cibernéticos. Não espere ver nada de super-recente, mas a seleção (até agora) apresenta uma mistura de sucessos de vendas e filmes cult.

Rohit Dhawan, diretor de gerenciamento de produtos do YouTube, disse ao Ad Age que filmes gratuitos com anúncios eram uma boa oportunidade tanto para os usuários quanto para os anunciantes, o que faz sentido, considerando que eles querem seus anúncios em vídeos de qualidade. De acordo com o Ad Age:

No futuro, poderia haver uma maneira para que os anunciantes paguem para patrocinar filmes individuais, dando a usuários visualizações gratuitas e exibições exclusivas, diz Dhawan. No entanto, isso tudo basicamente depende de como os estúdios evoluem seus negócios para dar conta dessas novas janelas de streaming digital que estão se abrindo.

A novidade pode ainda não ser o suficiente para concorrer com competidores de streaming gratuito com anúncios como o Hulu nos EUA, mas, segundo Dhawan, a empresa planeja expandir sua seleção de filmes gratuitos (o que é bom saber, já que a seção de filmes de terror — ou melhor, a escassez dela — precisa de um reforço).

O Gizmodo Brasil entrou em contato com o Google para mais informações sobre a novidade no País, e atualizaremos a nota se tivermos resposta da empresa.

[Ad Age via The Verge]