Como previsto, a Sony anunciou hoje o BDP-CX960, um MegaChanger para 400 discos Blu-ray a um preço mais ou menos razoável. O problema é que ninguém tem 400 discos Blu-ray ainda.

Tá, pode ser que alguém tenha 400 discos Blu-ray (o Howard Stringer?), mas o MegaChanger também toca DVD e até CD — pra quem ainda tem. E custa 800 dólares: razoável, dado que no Natal deve sair bem mais barato. Até porque, fora guardar 400 discos, o BDP-CX960 tem tudo o que se espera de um tocador Blu-ray top de linha, incluindo Dolby TrueHD de 7.1 canais e Dolby Digital Plus e a capacidade de transmitir áudio para um receiver através da porta HDMI.

Também foi lançado o BDP-CX7000ES, modelo mais avançado e com preço nada razoável: 1.900 dólares — mas este é para quem tem quatro casas e 16 carros, então nem se preocupe com ele.

Ambos os aparelhos têm placa de rede Ethernet, mas nem ela nem a entrada USB podem ser usadas para receber vídeo de outros dispositivos na mesma rede — Sony, pelo amor de Deus!

Além dos dois MegaChangers, a Sony lançou o BDP-S1000ES, um tocador Blu-ray com Wi-Fi, por 700 dólares: não só é caro, como é redundante — a Sony lançou este ano dois players de Blu-ray com Wi-Fi.

E afinal, será que vale comprar um MegaChanger? Eu não devo gravar discos Blu-ray para mim tão cedo, por mais que isso seja possível. E eu também não planejo comprar uma coleção enorme de discos Blu-ray — pelo menos não até baixar mais o preço.

Ah, sim: no informe à imprensa, a Sony diz que tem 13 aparelhos na linha de Blu-rays deles. Para mim, já levando em conta os MegaChangers e os modelos com Wi-Fi que estão por vir, já são 11 aparelhos além do necessário. [Sony]