Os impactos das mudanças climáticas estão cada vez mais assustadores. Florestas fantasmas estão surgindo ao longo da costa leste dos EUA, à medida que o aumento do nível do mar torna os solos salgados e inunda terras antes secas.

Já sabemos que a crise climática está elevando os níveis dos mares e aumentando as enchentes causadas pelas marés altas e ondas. Isso está colocando pessoas, infraestruturas e ecossistemas em risco. É tudo muito preocupante, mas um resultado particularmente assustador de tudo isso são as florestas fantasmas, que estão se expandindo, como mostra um novo relatório.

As florestas fantasmas são regiões onde os solos ficam inundados com água salgada, matando as árvores que dependem da água doce e deixando para trás troncos que podem ficar descoloridos ou pretos à medida que se deterioram. Os ventos geralmente carregam os galhos e a folhagem das árvores, mas uma vez que os troncos secam, eles podem durar décadas. Eventualmente, folhagens de pântanos de águas salgadas, que podem tolerar a salinidade, crescem ao redor das árvores.

“[As florestas fantasmas] têm uma aparência fantasmagórica, sobrenatural”, escreveu por e-mail Richard Lathrop Jr., que dirige o Centro de Sensoriamento Remoto e Análise Espacial da Universidade Rutgers e foi coautor da nova pesquisa.

O relatório, apoiado pelo Departamento de Agricultura e publicado pela Rutgers University na terça-feira, investigou o que exatamente está fazendo com que essas florestas fantasmas se formem e se tornem mais comuns. Para o estudo, os autores analisaram a literatura científica existente, entrevistaram especialistas em silvicultura e biologia e também realizaram uma reunião de cientistas em janeiro passado.

Uma floresta fantasma ao longo da bacia hidrográfica do rio Mullica, em Nova Jersey. Crédito: Jennifer S. Walker/Rutgers University – New Brunswick

Eles descobriram que os principais culpados são os efeitos da crise climática, incluindo o aumento das marés salgadas em meio a tempestades e fortes chuvas, que inundam os solos. À medida que ambos pioram ao longo da costa leste, mais áreas florestais costeiras da Virgínia a Massachusetts estão assumindo essas características fantasmagóricas.

As descobertas mostram que a linha onde o pântano encontra a floresta está avançando para o interior. Na região da Baía de Chesapeake, isso tem acontecido a cerca de meio metro por ano nos últimos 100 anos, embora algumas áreas tenham visto a transição acontecer a velocidades de até 6 metros por ano. Mas dificilmente este é um problema isolado daquela região.

“Isso está acontecendo por toda a parte das costas Leste e do Golfo, especialmente nas áreas costeiras onde há terras baixas e suavemente inclinadas nas baías costeiras adjacentes”, disse Lathrop.

As florestas fantasmas não estão se expandindo apenas devido aos efeitos da crise climática; elas também podem estar piorando a situação, criando um ciclo vicioso. As florestas do Médio  Atlântico e da Nova Inglaterra são atualmente importantes dissipadoras de carbono, especialmente porque são o lar de muitas árvores perenes que fotossintetizam — isto é, absorvem dióxido de carbono e exalam oxigênio — por mais meses do ano do que outras árvores. Os solos das florestas também absorvem carbono, mas esse efeito é reduzido quando eles são inundados.

“Um benefício ecológico das florestas costeiras saudáveis ​​é o sequestro e armazenamento de carbono na superfície e no solo”, disse Lindsey Smart, pesquisadora associada da Universidade Estadual da Carolina do Norte que estuda florestas fantasmas, mas não trabalhou no novo relatório, em um email. “À medida que as florestas costeiras fazem a transição para pântanos, perdemos carbono acima do solo. Parte é liberada na atmosfera e parte muda para outros reservatórios de carbono.”

A expansão das florestas fantasmas também tem outros efeitos ecológicos preocupantes. As florestas costeiras que o estudo examinou são lar para uma vasta gama de vegetais e animais selvagens incomuns, incluindo pássaros raros e as plantas de pântano Helonias bullata e Carex joorii. Como os solos dessas florestas também são capazes de absorver as chuvas, eles protegem as pessoas que vivem no interior das enchentes causadas por tempestades costeiras.

Para interromper essa degradação dos ecossistemas florestais costeiros, os autores pedem que os Estados Unidos planejem com mais cuidado o uso da terra. Isso inclui proteger a floresta costeira do desenvolvimento urbano — provavelmente uma má ideia de qualquer maneira, considerando a ameaça de inundações — colocando uma parte maior dela sob proteções federais.

As autoridades também poderiam ir ainda mais longe, facilitando a expansão das florestas em áreas mais distantes da costa, plantando mais árvores onde o solo é menos encharcado e a ameaça de marés e tempestades é menor. Eles também poderiam plantar mais vegetação florestal que tolere melhor as condições de mudança de salinidade e umidade do solo.

Smart observou que, ao empreender essas estratégias de conservação, o governo também precisará trabalhar com os proprietários de terras, “visto que grande parte da paisagem costeira está em mãos privadas”.

Assine a newsletter do Gizmodo

Na verdade, 77% das áreas florestais privadas dos EUA estão na região leste do país. Promover essas estratégias pode ser uma forma útil de adaptação ao clima para muitos locais que estão vendo suas florestas se tornarem mais fantasmagóricas.

“Este estudo acrescenta evidências crescentes de que este não é um fenômeno localizado, considerando outros relatórios ao longo da costa leste”, disse Smart. “Embora a velocidade e a extensão variem com base nas características específicas de cada local, está claro que o aumento do nível do mar e as pressões sinérgicas entre o aumento do nível do mar e a modificação do uso da terra […] estão mudando nossas costas, impactando nossas florestas costeiras.”