As fotos a seguir mostram um lugar que mais parece ser o lar de um supervilão. Na verdade, não tem nada muito obscuro sendo tramado lá — e sim físicos estudando a matéria escura.

Infelizmente, se você não for um físico de partículas que vive e mora no Canadá, não terá a chance de visitar o segundo laboratório mais profundo do mundo, conhecido como SNOLAB. Mas um fotógrafo documentou recentemente o que acontece a 2 km abaixo da terra.

O laboratório se descreve assim:

O SNOLAB é um equipamento científico de classe mundial localizado nas profundezas subterrâneas da mina de níquel Vale Creighton, próxima a Sudbury, Ontario, no Canadá. A combinação de grande profundeza e pureza presentes no SNOLAB permite que interações extremamente raras e processos fracos sejam estudados. O programa científico do SNOLAB está atualmente focado em física subatômica, principalmente neutrino e matéria escura…

A 2 km, o SNOLAB é o equipamento de sala limpa mais profundo do mundo.

Esta é uma apresentação bem humilde. O laboratório nem menciona o Prêmio Nobel de Física de 2015, entregue a Takaaki Kajita e ao cientista do SNO Arthur B. McDonald por descobrirem que neutrinos podem mudar de forma. O laboratório também levou o Breakthrough Prize de 2016 pelas descobertas sobre o neutrino.

Prêmios à parte, o SNOLAB foi feito com dificuldades. Depois do fim dos experimentos do Observatório de Neutrinos de Subdury, os equipamentos foram expandidos em um laboratório subterrâneo permanente, incluindo uma sala limpa classe-2000, com níveis de poeira e radiação de fundo baixíssimos. Isto torna o laboratório perfeito para experimentos que requerem alta sensibilidade e contagens muito baixas.

Isto pode, algum dia, ajudar estes heróis da ficção científica da vida real a detectar a matéria escura. Sem contar toda a pose que trabalhar num lugar desses dá.

Clique aqui para ver as imagens em uma única página. Fotos por SNOLAB.