O sabre de luz talvez seja a melhor arma da história dos filmes de ficção científica – mas como foi a criação dele para os filmes da saga Star Wars? Neste curto documentário, George Lucas, o ator Mark Hamill (que interpretou Luke Skywalker nos filmes da trilogia original) e o designer de som Ben Burt discutem como o sabre de luz nasceu.

O documentário foi postado no canal oficial de Star Wars no YouTube e está em inglês, mas a descrição dele ajuda a explicar um pouco da história:

George Lucas recorda que Star Wars foi influenciado por filmes de piratas e aventureiros dos anos 1940, que mostravam um lado romântico das lutas, ilustrados por personagens como Robin Hood de Errol Flynn, que eram heróis nessa tradição, e o diretor precisava de uma arma que igualasse esses ideais. Em uma cena de Star Wars: Episódio IV Uma Nova Esperança, o sabre de luz é apresentado por Obi-Wan Kenobi, que diz que “não é tão aleatório ou desajeitado quanto um blaster. Uma arma elegante para uma era mais civilizada.” O sabre de luz se tornou um símbolo de tempos mais pacíficos e honrosos, representando como era a galáxia antes do Império. Originalmente, Lucas diz, os Jedis deveriam lutar apenas com espadas. Mas para dar um lado tecnológico para a arma, elas se tornaram “espadas de laser”, capazes de desviar fogo recebido – o que fazia sentido, do ponto de vista do personagem, já que Jedis não deveriam ser lutadores agressivos.

A coreografia e duelos começara de maneira simples, mas se tornaram mais emocionantes e complexas conforme a série avançou. Mark Hamill diz que Lucas originalmente queria que os sabres de luz fossem muito pesados para serem manuseados com duas mãos. Mas o desejo de manter as lutas com espadas mais rápidas e intensas fez com que eles se afastassem da forma de duas mãos. A tecnologia usada para criar a lâmina brilhante também foi alterada conforme a série progrediu.

Em uma rara cena de bastidores de O Retorno de Jedi, Luke Skywalker luta contra Darth Vader, e Hamill explica que os bastões de metal eram exigidos para os atores poderem fazer uma batalha realista. De outra forma, eles não saberiam como fazer para parar as mãos e finalizar um golpe.

Ben Burtt diz que o som do sabre de luz foi o primeiro criado para o filme. Ao ouvir o barulho de um velho projetor em marcha lenta, ele sentiu que era o som perfeito, dizendo que era “musical, de certa forma. ‘Provavelmente é esse o som de um sabre de luz.'” Burtt queria outro elemento que foi criado acidentalmente através de feedback eletrônico.

Ao discutir a intensidade dos duelos de sabre de luz, Lucas diz que eles mudaram de um filme para outro, frequentemente refletindo as emoções de Luke e o andamento da história. Ainda assim, Luke não foi treinado como um Jedi no sentido clássico. Apenas em Star Wars: Episódio I A Ameaça Fantasma o público viu Jedis batalhando da maneira ideal; os duelos eram mais agressivos e acrobáticos do que os vistos na trilogia original, e só aumentaram em escala e intensidade com o andamento da série.

Criado originalmente para um boxset lançado em 2004, este documentário de 15 minutos foi disponibilizado online pela primeira vez, e gratuitamente. Ele está em inglês e sem legendas, mas, se isso não for um problema, vale a pena assistir. [YouTube via Verge]