Não temos qualquer previsão.

Mais exatamente:

"Já fizemos estudos de viabilidade. Temos o desejo. Mas não há nenhuma movimentação, nem externa nem interna, para que isso aconteça em breve."  

"Mas poxa, diretor! Até El Salvador tem a PlayStation Network! Não dá nem para ter só a PSN aqui?"

"Teríamos que traduzir todo o conteúdo e dar o suporte. A legislação aqui é rigorosa em relação a isso."

"Quer dizer que lá em El Salvador eles usam em inglês e é tudo ok?"

"Hu hum."

"E o PlayStation 2 fabricado no Brasil?"

"Também não temos previsão. São variáveis externas, muitas, que não podemos controlar."

Esse foi Lucio Pereira, gerente de Comunicação e Propaganda da Sony, que se disse um entusiasta, fã de games, visivelmente incomodado em falar essas coisas pra mim num canto após a coletiva da empresa em que eles anunciaram o caro e bonito Vaio P