Com mais de 2,8 milhões de apps, a Google Play Store é a maior loja de apps do planeta. E com tantos apps, às vezes achar o que você quer pode ser um desafio. Mais difícil ainda é se assegurar que nenhum desses downloads vai ser prejudicial para os 2 bilhões de usuários ativos da plataforma Android.

Então, para ajudar a evitar a disseminação desses novos apps que entram na Play Store todos os dias, o Google disse que teve de desenvolver novos modelos de detecção e usar algoritmos de machine learning e inteligência artificial para ajudar a derrubar 700 mil apps maliciosos presentes em sua loja (um aumento de 70% comparado com 2016) e 100 mil desenvolvedores em 2017.

Por que cibercriminosos estão espalhando ofertas falsas de emprego
Malwares bancários brasileiros são sofisticados e o tipo favorito dos nossos cibercriminosos

O papel da inteligência artificial parece ser detectar conteúdo inapropriado, como discurso de ódio ou violência, e sinalizar esses apps de modo que eles possam ser analisados mais de perto por humanos.

Além disso, o Google disse que o Play Protect, recurso nativo do Android para detecção de vírus, ajudou a companhia a reduzir a instalação de apps potencialmente maliciosos por um fator de 10. Se livrar de apps maliciosos não foi a única vantagem da curadoria do Google. A companhia disse ter removido mais de 250 mil apps que se passavam por outros, que, com alguma frequência, roubam tráfego e receita dos apps e desenvolvedores originais.

No entanto, tem uma parte do Android Developers Blog que precisa ser melhor esclarecida. O Google diz: “Não só nós removemos mais apps maliciosos, mas conseguimos identificar e agir contra eles bem antes que o normal. De fato, 99% dos apps com conteúdos abusivos foram identificados e rejeitados antes de alguém conseguir instalá-los.”

Não fica claro se os novos protocolos do Google conseguiram bloquear apps nocivos antes mesmo de eles serem disponibilizados na Play Store, ou se o Google conseguiu detectar apps maliciosos antes de os usuários os encontrarem e instalá-los. Eu suspeito que seja a combinação dos dois. Consultamos a empresa e vamos atualizar o post, caso respondam.

De qualquer forma, é bom saber que as grandes empresas estão lidando com a difícil tarefa de policiar suas lojas de aplicativos, especialmente pelo fato de este ser um problema que tente a piorar com o tempo. Dito isso, é importante lembrar-se que isso é função do Google, porém não custa nada ficar esperto com apps chamativos ou que pedem permissões esquisitas.