Parece que o Google está tendo dores de cabeça com sua nova política unificada de privacidade, que reúne informações de todos os serviços do Google – sem dar qualquer alternativa ao usuário – para personalizar sua experiência. O questionamento da nova política chegou inclusive ao Congresso americano e a autoridades da União Europeia. E agora, até mesmo a Câmara dos Deputados, em Brasília, quer explicações.

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) vai propor na Câmara que representantes do Google sejam convocados para explicar, em audiência pública, a nova política de privacidade da empresa. O deputado promete chamar também membros do Ministério da Ciência e Tecnologia, além de especialistas em defesa do consumidor e em privacidade.



“Vamos confrontar várias opiniões e explicar à sociedade o que irá acontecer, já que pairam muitas dúvidas e vários especialistas afirmam que a nova política de privacidade oferece riscos para o consumidor”, disse Pimenta. Segundo José Milagre, ativista em privacidade de internet no Brasil, a nova política do Google viola o Anteprojeto de Lei de Proteção de Dados Pessoais, que visa garantir a todos o controle sobre suas informações na web.

O Google disse ao IDG: “conversamos com vários órgãos governamentais e não-governamentais antes de anunciarmos as mudanças em nossos termos de serviço e nenhum deles expressou preocupação sobre o assunto”. Mesmo assim, a empresa está “aberta ao diálogo com membros do Congresso”. Nos EUA, o Google forneceu resposta oficial ao Congresso em uma carta de nove páginas, reiterando que eles não coletam informações a mais com a nova política – apenas vão usar a mesma informação em mais serviços.

A audiência pública em Brasília ainda não tem data para acontecer, mas como lembra o IDG, dificilmente será antes de 1º de março, quando a nova política do Google entra em vigor. [Paulo Pimenta via IDG]