Após diversos rumores, o Waze foi enfim comprado pelo Google. Ele fornece mapas com dados em tempo real – como engarrafamentos, acidentes etc. – obtidos via crowdsourcing.

Em seu blog oficial, o Google diz que manterá o Waze como uma empresa independente, pelo menos por enquanto:

A equipe que desenvolve o Waze permanecerá em Israel e vai operar separadamente por enquanto. Estamos entusiasmados com a perspectiva de melhorar o Google Maps com alguns dos recursos de atualização de tráfego fornecidos pelo Waze, e em melhorar o Waze com recursos de pesquisa do Google.

Também vamos trabalhar em estreita colaboração com a vibrante comunidade do Waze, que são o DNA deste app, para garantir que eles tenham o que for necessário para crescer e prosperar.

Para o Google, o Waze é bem interessante: eles devem adotar funções de crowdsourcing no Maps, e evitam que seu produto (o Maps) seja ameaçado por concorrentes – como o Facebook. Além disso, o Waze gera receita através de “anúncios baseados em localização” – algo bastante valioso para o Google.

O Waze, por sua vez, reitera que nada vai mudar para os usuários, e explica porque decidiu aceitar a proposta do Google:

Nada prático vai mudar aqui no Waze. Vamos manter a nossa comunidade, marca, serviço e organização – a hierarquia, as responsabilidades e os processos da comunidade continuarão a ser os mesmos…

O Google está empenhado em nos ajudar a alcançar nosso objetivo comum e nos garantir a independência e recursos de que precisamos para termos sucesso. Nós avaliamos muitas opções, e acreditamos que o Google é o melhor parceiro para o Waze… e os quase 50 milhões de Wazers no mundo.

As empresas não revelam o valor da aquisição. Segundo a Bloomberg, o Google pagou US$ 1,1 bilhão. O jornal israelense Globes, no entanto, diz que o valor é de US$ 1,3 bilhão.

Rumores diziam que o Facebook estava interessado em comprar o Waze, mas após uma disputa com o Google nos bastidores, a rede social desistiu da aquisição. Segundo o jornal Globes, isso aconteceu por dois motivos: o Facebook não quis pagar o preço exigido, e não queria manter a sede da empresa em Israel.

O Waze está disponível como um app gratuito para iOS e Android. [Official Google Blog e Waze Blog]

Atualizado às 13h10