Sim, você já consegue comprar um Motorola Xoom nos EUA com Android Honeycomb como sistema operacional. Mas de acordo com a BusinessWeek , o Google não irá liberar sua versão para tablets aos desenvolvedores de forma aberta, com receio de que as pessoas o enfiem em smartphones.

[Andy] Rubin diz que se o Google adotar uma política open-source com o Honeycomb agora, como a empresa já fez em outras versões do Android durante o período de desenvolvimento, será impossível prevenir que os desenvolvedores coloquem o software em smartphones, “criando uma péssima experiência de uso. Nós sequer sabemos se ele funcionará em smartphones”.

“O Android é um projeto open-source”, ele adiciona. “Nós não mudamos nossa estratégia”.

Rubin explica que a razão da abordagem mais fechada surge em razão do curto tempo que a empresa teve para desenvolver o Honeycomb. Eles não tiveram tempo de considerar todas as possibilidades em que o sistema pode ser usado.

Mas a situação também suscita uma grande questão sobre o verdadeiro significado de open-source. Para o Google, tudo indica que open-source significa construir as ferramentas e o sistema operacional de forma privada e então liberá-lo, quando bem entender, para o público fazer o que quiser. Os mais céticos dirão que se o Android fosse mesmo open-source, o processo de desenvolvimento de cada passo seria transparente e acessível para todos.

Apesar de ser um movimento levemente appleano do Google, que normalmente joga do outro lado do campo, talvez isso não seja algo tão surpreendente. O Android se transformou em um dos sistemas operacionais mais utilizados no mundo, o que significa que há muito dinheiro, ações e questões enormes por trás de tudo. Será esse o primeiro passo do Google fora das linhas do código aberto? [BusinessWeek]