Não é segredo que, tirando Facebook e Google, o lucro de publicidade online vem caindo. Isso forçou algumas das principais publicações de notícias, incluindo o The New York Times e The Atlantic, a limitar o acesso ao seu conteúdo gratuito e implementar paywalls. É difícil culpar os jornais, já que conteúdo de qualidade merece compensação justa, porém isso costuma deixar usuários na delicada posição de precisar lidar com inúmeros logins.

Por que devemos nos empolgar com a invenção de robôs-jornalistas
Por que todo mundo está odiando o Watson da IBM – inclusive quem ajudou a fazê-lo

O Google acredita que pode ajudar a arrumar essa bagunça. A companhia está introduzindo uma nova função chamada Subscribe with Google (cadastre-se com o Google, em tradução livre) que permite aos usuários comprar, administrar e logar em conteúdos de acesso limitado a assinantes utilizando uma conta do Google. Apesar dessa função existir anteriormente no Google Play Banca, a diferença com o Subscribe é que será possível ignorar o aplicativo das publicações e ver o conteúdo diretamente em um navegador padrão, assumindo que você logou no site, é claro.

Para novos assinantes, será possível pagar para pelo conteúdo utilizando sua conta do Google. É só clicar no botão “Sign in with Google” presente no site da publicação para acessar notícias e artigos bloqueados por paywalls.

Além disso, para todas as suas assinaturas existentes, será possível mesclar credenciais anteriores de cada site com a sua conta Google, assim tanto antigas e novas assinaturas poderão ser acessadas de um mesmo lugar.

Usuários que se cadastrarem no serviço de assinatura do Google também terão o benefício de ver o conteúdo dos sites que assinaram destacados em um módulo dedicado quando fizerem buscas no Google. A razão por traz de tudo isso é bem direta, como diz o próprio Google: “Pagar por uma assinatura é uma clara indicação que você valoriza e confia na publicação como uma fonte”.

O Google diz que vem testando a ferramenta de assinatura desde outubro de 2017 e trabalhava com quase 60 organizações diferentes em 18 países. No lançamento, as organizações de mídia que vão utilizar o serviço incluem Les Échos, Fairfax Media, Le Figaro, the Financial Times, Gannett, Gatehouse Media, Grupo Globo, The Mainichi, McClatchy, La Nación, The New York Times, NRC Group, Le Parisien, Reforma, la Republica, The Telegraph e The Washington Post.