Parece coisa da ficção científica, mas uma nova inteligência artificial pode prever o risco de ataque cardíaco escaneando o olho de um paciente.

Pesquisadores brasileiros ensinam computadores a detectar câncer e cegueira a partir de fotos

Desenvolvida pela Verify, uma das muitas subsidiárias da Alphabet (Google), a tecnologia escaneia e analisa o olho de um indivíduo, precisamente detectando a idade, pressão arterial e se ele fuma, e então usa esses dados para avaliar o risco do paciente sofrer de problemas do coração, como um ataque cardíaco.

A precisão do algoritmo é praticamente a mesma que a de métodos atuais, mas exclui a necessidade do exame de sangue. Oferecendo aos médicos uma maneira de avaliar o risco do paciente e diagnosticá-lo de maneira mais rápida e fácil.

À esquerda: amostra de imagem colorida da retina. À direita: mapa indicando áreas que apontam pressão cardíaca elevada em verde. (Créditos: Google)

O artigo sobre o estudo foi publicado nesta segunda-feira (19) na Nature Biomedical Engineering, mas ainda precisa passar por mais avaliações antes de ser utilizado em testes clínicos.

Segundo informações do The Verge, Luke Oakden-Rayner, pesquisador médico especialista em análise de aprendizado da máquina da Universidade de Adelaide que não participou do estudo, diz que o trabalho é muito bom e mostra como uma inteligência artificial pode melhorar ferramentas de diagnóstico existentes. “Eles usam dados que são colhidos para uma única razão clínica e extraem mais dela do que extraímos atualmente”, disse. “Em vez de substituir médicos, ele tenta estender o que fazemos atualmente”.

Treinamento

Para treinar a máquina, cientistas da Verify e do Google inseriram dados de mais de 300 mil pacientes nela – informações que incluíam imagens de olhos e dados médicos genéricos. O algoritmo de rede neural então buscou por padrões nas informações, aprendendo a associar sinais nas imagens com métricas que previam risco cardiovascular, como idade e pressão arterial.

E por mais estranho que possa parecer avaliar o coração de alguém pelos olhos, a prática de buscar diagnósticos nessa área é muito comum: a parede do olho ao fundo é repleta de vasos sanguíneos que refletem diversos fatores da saúde de um corpo. A aparência destes vasos infere em valores como a pressão sanguínea, idade e se um indivíduo fuma – todos importantes fatores para prever a saúde cardiovascular de alguém.

A tecnologia usa uma pontuação para prever risco cardiovascular e acerta em aproximadamente 70% das vezes, segundo o Google.

A empresa, inclusive, afirma que o estudo representa muito mais do que um novo método de avaliar risco cardiovascular em alguém. A inteligência artificial encontrou novas maneiras de analisar dados médicos já existentes, diferente da maioria dos algoritmos médicos, que são usados para substituir ferramentas que já existem, como detectar câncer de pele.

[The Verge, Verify]