Que o Google tem planos ousados para o Stadia, o serviço de streaming de games, ninguém duvida. Porém, a empresa tem feito feito afirmações ousadas, como a última em que a empresa fala sobre “latência negativa”.

O vice-presidente de engenharia do Google Madi Bakar disse à revista Edge em uma entrevista recente que a empresa acredita que pode fazer com que jogos de streaming respondam mais rápido do que um jogo se estivesse rodando diretamente em um PC ou console, de acordo com a PCGamesN.

Existem duas maneiras rápidas de superar qualquer atraso em potencial entre jogadores e servidores Stadia que envolvem aumentar rapidamente o FPS para reduzir a latência entre quando um jogador executa uma ação e do que é exibido na tela, além de um modelo preditivo que antecipa os comandos do jogador e as processa antecipadamente.

“Em última análise, acreditamos que em um ano ou dois teremos jogos que estarão rodando mais rapidamente e nos sentimos mais responsivos na nuvem do que localmente, independente da máquina local”, disse Baka à revista Edge, acrescentando que o Google caracteriza isso como “latência negativa”.

Obviamente, não existe “latência negativa”, que, aliás, parece mais um jargão de marketing. Como notado pelo PC Gamer, um desenvolvedor de jogos no Twitter disse que suspeitava que a predição de comandos não é algum tipo de promessa de que o Stadia sobre auxílio de mira ou pressionar botões para os jogadores — isso arruinaria a experiência — mas seria apenas uma conversa sobre posicionamento de marketing para previsão de ramificação. Esse é um truque de desempenho bem conhecido na programação que consiste em confiar na adivinhação, mas poderia representar um risco significante para danificar a sincronia ou acelerar ainda mais jogos rápidos.

A modelagem preditiva pode ser usada para gerar quadros na nuvem com antecedência e, em seguida, exibir apenas aquele para o jogador que corresponda à ação que eles realmente executam, mas com a ressalva de que é preciso muito mais largura de banda

(Em um sentido muito amplo, o Stadia realmente renderizaria o microssegundo de jogo antes do jogador, não que isso seja realmente novo para os jogos).

Observe que nenhum deles é realmente “latência negativa”, o que é impossível da perspectiva do jogador devido à causalidade.

De qualquer forma, embora haja muito interesse no Stadia, o serviço também ficou sob ceticismo de que, na verdade, ele será executado em qualquer lugar próximo ao prometido. O PC Gamer relatou problemas significativos de latência nas demos em março de 2019, com seu repórter escrevendo que ele morreu cinco vezes no primeiro nível de Doom (e que não é um nível muito difícil).

Nosso site irmão Kotaku é cético quanto ao fato de o Google poder resolver os problemas técnicos no curto prazo, bem como se seu modelo de negócios significará a substituição da propriedade do jogo pelo “acesso ao jogo”. Além disso, tem toda a questão de coisas como mods e se os jogadores realmente querem jogar títulos de jogador único pela internet; o DRM sempre ativo, por exemplo, tem sido criticado há muito tempo, e há toneladas de pessoas em todo o mundo com internet ruim.