Carros autônomos são apontados como o futuro, e, naturalmente, as empresas automobilísticas e tecnológicas já estão em uma corrida pelo pódio no segmento. O problema é que, segundo uma das companhias, um dos competidores resolveu tomar o caminho mais curto. A Waymo, vertente do Google focada no desenvolvimento de carros autônomos, afirma que Anthony Levandowski, fundador da Otto, subsidiária do Uber, baixou mais de 14 mil arquivos contendo desenhos proprietários de seu sistema.

• As primeiras imagens do novo carro autônomo do Google feito em parceria com a Chrysler
• Empresa do Uber faz entrega de cerveja com caminhão que dirige sozinho nas estradas

Levandowski trabalhou no Google e deixou a empresa em janeiro do ano passado, fundando em seguida a Otto, companhia de desenvolvimento de caminhões que andam sem motorista. A empresa foi posteriormente comprada pelo Uber. A Waymo acusa o ex-funcionário de ter baixado “mais de 14 mil arquivos de desenhos proprietários altamente confidenciais para os vários sistemas de hardware da Waymo”, incluindo o sensor LiDAR e a placa de circuito, totalizando 10 gigabytes de arquivos.

Levandowski teria informado a colegas seus planos de fundar uma empresa de veículos autônomos quando deixasse o Google. A Waymo alega no processo, encaminhado nesta quinta-feira (23), que ele “parece ter dado vários passos para maximizar seu lucro e abrir sua nova venture” antes de sair da empresa.

O mais curioso de tudo é como a Waymo descobriu o suposto roubo dos arquivos. Segundo consta no processo, a empresa foi recentemente (“e aparentemente inadvertidamente”) copiada em um email de um de seus fornecedores de componentes para o LiDAR, cujo assunto lia “ARQUIVOS OTTO”. “O email anexava desenhos de máquinas do que pretende ser uma placa de circuito LiDAR do Uber. Essa placa de circuito tem uma semelhança surpreendente com o desenho proprietário altamente confidencial da Waymo e reflete os segredos comerciais da Waymo. Como mostra esse email, a Otto e o Uber estão atualmente construindo e distribuindo (ou pretendendo distribuir) sistemas LiDAR (ou componentes de sistemas) usando os designs de segredo comercial da Waymo. Este email também mostra que os sistemas LiDAR da Otto e do Uber infringem várias patentes tecnológicas de LiDAR concedidas à Waymo.”

A queixa enviada às autoridades do estado de Nevada conclui que “essa foi a peça final do quebra-cabeça: a confirmação de que o Uber e a Otto estão, de fato, usando um sistema customizado de LiDAR com as mesmas características do sistema proprietário da Waymo”.

A vertente de carros autônomos do Google ainda registrou uma solicitação de registros públicos ao Escritório de Desenvolvimento Econômico e Departamento de Veículos Motorizados de Nevada.

Para dar mais contexto, o LiDAR é um sistema cuja tecnologia trabalha em conjunto com as câmeras ligadas ao carro para que o ambiente em que o veículo está e suas cercanias sejam detectados pelo carro, possibilitando o funcionamento do carro autônomo, em última instância.

A acusação da Waymo impõe obstáculos ao Uber em sua entrada no mercado de veículos auto-dirigidos. Em setembro do ano passado, a empresa havia declarado às autoridades de Nevada que “não estava mais usando uma tecnologia LiDAR terceirizada”, e sim um “sistema customizado construído internamente”,o que agora está sendo refutado pela Waymo.

[Jalopnik]