Desde agosto, o grupo The Shadow Brokers alega ter adquirido ferramentas de invasão da NSA através de uma brecha no Equation Group, aparentemente uma ramificação da agência de espionagem.

Depois de oferecer o que parece ser a prova da legitimidade das ferramentas, eles anunciaram que queriam um milhão de dólares pelo resto de suas informações. Eles agora estão chateados que ninguém desembolsou toda essa grana.

Invasão à NSA revela falhas de segurança na internet que duraram anos
A história não contada dos hackers adolescentes que transformaram o início da internet

Em um post no Medium, eles reclamam que a melhor oferta foi cerca de US$ 1.082 em Bitcoin. “O Shadow Brokers acredita que isso é um problema de comunicação de informação”, diz o post; talvez eles precisem de mais atenção da mídia.

Eles continuam: “as pessoas têm interesse em arquivos gratuitos, mas não no #EQGRP_Auction.” Assumo que eles tiveram algumas propostas, mas ninguém disposto a realmente pagar o valor exorbitante pedido.

O Shadow Brokers chegou a liberar alguns arquivos de forma gratuita; foi a primeira vez que ferramentas de invasão da NSA vazaram para o público. Documentos de Edward Snowden acessados pelo The Intercept provam que a invasão à NSA é mesmo real; e vários peritos em segurança dizem que os documentos divulgados são legítimos.

Na semana passada, a Reuters levantou a teoria de que os arquivos podem ter sido encontrados por hackers russos em um servidor remoto “erroneamente” abandonado. Segundo a agência de notícias, “funcionários da NSA disseram aos investigadores que um funcionário ou contratante cometeu o erro há cerca de três anos, durante uma operação que usou as ferramentas”.

Em 1984, Steven Levy descreveu os seis princípios do que ele chamou de “ética de hackers”. O princípio número dois era: “toda informação deve ser livre”. Mas, trinta anos depois, vivemos em um mundo em que hacking ético não é para todos.

[Medium via Motherboard]

Foto: sede da NSA por Trevor Paglen/Creative Time/Wikipedia