O Acer Revo, um pequeno desktop que custará “bem abaixo” de US$ 500, é o primeiro computador com a plataforma Nvidia Ion, para PCs de baixo consumo de energia. E daí? Daí que ele tem um fraco processador Intel Atom e reproduz filmes de Blu-ray em alta definição sem falhar.

acer revo nvidia ionacer revo nvidia ionacer revo nvidia ionacer revo nvidia ionacer revo nvidia ionacer revo nvidia ionacer revo nvidia ionacer revo nvidia ionacer revo nvidia ion

A Acer mal mencionou o Revo no meio da armada de máquinas baratas anunciadas na terça, mas depois de ver o que ele pode fazer, em vários sentidos, é possível dizer que é a mais interessante de todas, pelo desempenho que promete oferecer em computadores baratos – especialmente se a Nvidia conseguir alinhar desenvolvedores de software para tirar vantagem de sua plataforma gráfica. Ion, aliás, é apenas a marca da Nvidia para o seu chip gráfico MCP79 (a GeForce 9400M no coração dos novos MacBook) combinado com a CPU Intel Atom. O Revo é o primeiro produto anunciado a usar a Ion. A Nvidia não pôde me revelar o preço final, apenas disse que é “realmente agressivo” e “bem abaixo” de US$ 500.

O modelo de demonstração que eu pude conferir estava configurado com um Atom 230, que, pelo que dizem, é bem fraquinho. Mas o Revo tem alguns recursos que potencialmente o tornam um sólido TV PC: saída HDMI, áudio HD 7.1, wireless N (para transmissão de vídeo), sete portas USB, leitor de cartões e, por alguma razão, conexão eSata.

Mas vamos pular para a parte impressionante: ele reproduziu um filme de Blu-ray com um bitrate médio de 28 megabits por segundo – com picos de 36 – com maciez e basicamente sem falhar. É uma montanha de dados, algo que uma máquina comum com Atom não consegue aguentar sem se sufocar. Rodou o Spore liso como manteiga em 1.024 x 768 com as configurações gráficas no mínimo. O Google Earth funcionou bem – ninguém diria que ele estava rodando em um MacBook Pro ou coisa do tipo, mas isso é o de menos. O que esses aplicativos todos têm em comum, e a razão pela qual o Revo pode ter um desempenho melhor com eles do que um computador normal com Atom, é que eles favorecem as placas gráficas – neste caso, a da Nvidia – no processamento, em vez de usar apenas a CPU.

Há limitações ao milagre, mesmo em relação a vídeo. Como nettops e netbooks são montados para navegar na internet, um buraco muito importante neste momento para o Ion é vídeo em HD pela internet. Clipes em HD do Hulu e do YouTube não rodaram notadamente melhor no Revo do que em outro computador com Atom 230. Isso porque o Flash e o Silverlight, os dois grandes meios de transmissão de vídeo na Web, ainda não usam aceleração gráfica. A Nvidia espera que isso mude até o lançamento do Revo (o que deve ocorrer provavelmente por volta de junho) e de outros produtos Ion – há pelo menos 40 em planejamento –, já que isso daria a ela uma alavancagem bem maior na área de netbooks.

O outro problema é que testes preliminares feitos por outros veículos mostraram unidades primitivas do Ion oferecendo desempenho de vídeo fantástico, mas duração de bateria não muito boa. Isso não é um grande empecilho para um minidesktop, obviamente, de modo que um bom nicho para máquinas Ion poderá ser o de media PCs baratos para plugar nos televisores – o Revo parece ideal para isso e vem até com um suporte para ser colocado nas costas de TVs e monitores.

Se o Revo ou algo parecido sair por US$ 400, será o primeiro tipo de computador “net” que realmente considerarei comprar.